FIFA suspende presidente da Federação Palestiniana por incitamento à violência

Estão em causa as declarações de Jibril Rajoub que incitava ao protesto contra a Associação Argentina de Futebol, "queimando camisolas e imagens de Lionel Messi"

A FIFA suspendeu esta sexta-feira o presidente da Federação Palestiniana de Futebol, Jibril Rajoub, de desempenhar funções nos jogos durante um ano, por este ter pedido, em junho, que as camisolas de Lionel Messi fossem queimadas como protesto contra a Argentina.

"A suspensão de jogo aplicada a Jibril Rajoub implica a proibição do dirigente tomar parte em jogos oficiais ou em qualquer outra competição de futebol por um período de 12 meses a partir do anúncio oficial" esclarece o organismo.

A FIFA diz que Jibril Rajoub, de 65 anos, proferiu "declarações aos órgãos de comunicação social em que incitava ao protesto contra a Associação Argentina de Futebol (AFA), queimando camisolas e imagens de Lionel Messi".

As declarações de Jibril Rajoub surgiram na sequência do cancelamento, por parte da AFA, de um encontro de caráter particular com Israel, em Jerusalém, em 9 de junho, inserido na preparação da Argentina para o Mundial2018, na Rússia, alegando falta de condições.

De acordo com a Comissão de Disciplina da FIFA, que aplicou ainda ao dirigente palestiniano uma multa de 17.528 euros, as declarações de Jibril Rajoub foram consideradas como um "incitamento ao ódio e à violência".

O dirigente está ainda proibido de prestar declarações aos órgãos de comunicação social nos estádios, ou nas suas imediações, durante os encontros ou competições oficiais, por um período de 12 meses, com efeito a partir de 24 de agosto.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.