FIFA irradia antigo presidente da Confederação Brasileira de Futebol

José Maria Marin, que liderou o comité organizador do Mundial 2014, foi detido em 2015 e ficou esta segunda-feira proibido de exercer qualquer atividade relacionada com futebol.

A FIFA irradiou do futebol José Maria Marin, antigo presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), por envolvimento num caso de corrupção que ficou conhecido como 'Fifagate', anunciou esta segunda-feira o organismo regulador da modalidade.

O Comité de Ética da FIFA considerou que Marin, de 86 anos, violou o artigo 27 do código de ética, relativo a subornos, tendo decidido proibir o antigo presidente da CBF de exercer qualquer atividade relacionada com o futebol e impondo-lhe o pagamento de uma multa de um milhão de francos suíços (cerca de 881.000 euros).

José Maria Marin, que liderou o comité organizador do Mundial 2014, cuja fase final se realizou no Brasil, foi condenado em agosto de 2018 a quatro anos de prisão pela justiça norte-americana.

Aos 86 anos, Marin tornou-se o primeiro grande líder federativo a cumprir pena no âmbito do caso, depois de ter sido condenado já em dezembro do ano passado por seis crimes de corrupção, fraude bancária e branqueamento de capitais.

Segundo o tribunal, Marin e o seu 'vice', Marco Polo del Nero, receberam perto de 6,5 milhões de dólares (cerca de 5,75 milhões de euros) em subornos por parte de várias empresas de 'marketing' e transmissão de vários torneios sul-americanos.

O caso 'Fifagate' foi desencadeado por uma investigação do FBI e de autoridades fiscais norte-americanas, que investigavam a FIFA desde 2010, após o anúncio da entrega do Mundial 2022 ao Qatar.

A investigação levou à detenção, em maio de 2015, de Marin e de outros dirigentes durante o congresso da FIFA em Zurique, levando à demissão do então presidente do organismo de cúpula do futebol mundial, o suíço Joseph Blatter.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.