FIFA assume controlo provisório da Federação Uruguaia

A FIFA assumiu o controlo da Federação Uruguaia até fevereiro de 2019, devido a irregularidades no processo eleitoral para a presidência daquele organismo sul-americano, e nomeou um comité de regularização.

A medida da FIFA, presidida por Gianni Infantino, tem "efeitos imediatos", segundo a carta endereçada pela instituição que tutela o futebol mundial à federação uruguaia, e explica que o "comité de regularização irá atuar como comissão eleitoral" através de decisões "firmes e vinculativas".

A acusação de incumprimento em relação aos requisitos de transparência surgiu no final de julho, quando foram descobertas gravações áudio que alegadamente comprometiam Wilmar Waldez, líder da federação e único candidato às eleições de 31 de julho, depois de superar o exame de idoneidade da Confederação Sul-Americana de Futebol (CONMEBOL), ao contrário dos outros dois candidatos: Arturo del Campo e Eduardo Abulafia.

A polémica levou à renúncia de Wilmar Waldez do cargo a 30 de julho e à abertura de um inquérito por parte do Ministério Público do Uruguai. A presidência foi assumida provisoriamente por Edgar Welker, sendo que CONMEBOL e FIFA já acompanham a situação há quase um mês.

Contudo, os clubes uruguaios e Edgar Welker já vieram contestar esta intervenção da FIFA no órgão federativo do futebol do seu país e revelaram ter feito um pedido de explicações a Gianni Infantino. O presidente do Defensor Sporting, Daniel Jablonka, deu voz a esse protesto e disse à agência EFE que a medida da FIFA causou "grande estranheza".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.