FIFA analisa alargamento do Mundial de 2022 a 48 seleções no próximo mês

O presidente da FIFA adiantou esta sexta-feira que o organismo regulador do futebol mundial vai analisar no próximo mês a possibilidade de antecipar o alargamento do Mundial de 32 para 48 seleções já a partir de 2022, no Qatar

"Isso será analisado no próximo mês, em primeiro lugar, com as autoridades do Qatar, e depois com todas as restantes partes interessadas", disse Gianni Infantino, em conferência de imprensa no Estádio Luzhniki, em Moscovo, onde no domingo as seleções de França e Croácia vão disputar a final do Mundial2018.

Infantino não precisou a data em que será anunciada uma decisão final sobre a antecipação do alargamento do Campeonato do Mundo -- prevista para a edição de 2026, no Canadá, Estados Unidos e México --, adiantando apenas que ocorrerá "antes do início da fase de qualificação".

O presidente da FIFA reafirmou que a próxima edição do Campeonato do Mundo vai realizar-se entre 21 de novembro e 18 de dezembro, "porque não é possível jogar futebol no Qatar em junho e julho", meses em que habitualmente se realiza o torneio.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.