FIFA analisa alargamento do Mundial de 2022 a 48 seleções no próximo mês

O presidente da FIFA adiantou esta sexta-feira que o organismo regulador do futebol mundial vai analisar no próximo mês a possibilidade de antecipar o alargamento do Mundial de 32 para 48 seleções já a partir de 2022, no Qatar

"Isso será analisado no próximo mês, em primeiro lugar, com as autoridades do Qatar, e depois com todas as restantes partes interessadas", disse Gianni Infantino, em conferência de imprensa no Estádio Luzhniki, em Moscovo, onde no domingo as seleções de França e Croácia vão disputar a final do Mundial2018.

Infantino não precisou a data em que será anunciada uma decisão final sobre a antecipação do alargamento do Campeonato do Mundo -- prevista para a edição de 2026, no Canadá, Estados Unidos e México --, adiantando apenas que ocorrerá "antes do início da fase de qualificação".

O presidente da FIFA reafirmou que a próxima edição do Campeonato do Mundo vai realizar-se entre 21 de novembro e 18 de dezembro, "porque não é possível jogar futebol no Qatar em junho e julho", meses em que habitualmente se realiza o torneio.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.