Fernando Torres vai jogar para o Japão

Avançado espanhol anunciou na manhã desta terça-feira que vai assinar até dezembro de 2019 pelo Sagan Tosu, da liga japonesa

Fernando Torres anunciou esta quinta-feira, em Madrid, que vai rumar ao Japão para representar o Sagan Tosu, clube pelo qual vai assinar contrato por uma época e meia, com mais um ano de opção.

51 dias depois de se ter despedido dos adeptos do Atlético Madrid, o avançado espanhol de 34 anos vai assim imitar o compatriota Andrés Iniesta, que este verão também vai rumar a solo nipónico, mas para vestir as cores do Vissel Kobe.

"Queria desfrutar dos últimos dias que tive no Atlético, refletir e pensar no que era melhor para mim e para a minha família. Houve muitas ofertas desde que anunciei o meu adeus ao clube. Rejeitei continuar na Europa porque não podia ter um final melhor do que o que tive nesta equipa", afirmou el niño, em alusão à conquista da Liga Europa.

Após o anúncio, seguiu-se a fotografia oficial com a nova camisola, ao lado do presidente do clube japonês, Minoru Takehara.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.