Fernando Santos: "Dizer agora que o Félix, Pizzi, Manel, o António ou o Joaquim podiam ter sido a chave é fácil..."

Selecionador nacional estreou Dyego Sousa frente à Ucrânia (0-0) esta sexta-feira no Estádio da Luz e ele mostrou-se "muito feliz" pela estreia apesar do empate.

Fernando Santos não está preocupado por Portugal não ter ganho no arranque da qualificação para o Euro2020 e até viu coisas positivas no jogo com a Ucrânia, esta sexta-feira, que acabou empatado (0-0). "Sabíamos que eles iriam ter esta estratégia. A equipa esteve bem, mas não ganhou. Quando se ganha é que se pode dizer que está tudo bem e por isso não se pode dizer que esteve tudo bem. Na primeira parte faltou-nos jogo interior, mas os jogadores tentaram, criaram situações e talvez fosse preciso mais reação à perda. Em duas ou três vezes fizemos isso bem e criámos perigo. Na segunda parte, com o Dyego Sousa e o Bernardo, continuámos a tentar por um lado e pelo outro e a arriscar quase tudo, e eles tiveram uma oportunidade quase no final. Foi um resultado injusto, Portugal merecia ganhar", atirou o selecionador nacional na flash interview da RTP.

Quanto questionado se o empate não vai desanimar o grupo, o técnico nacional respondeu assim: "Não vai resultar em nenhum golpe anímico, vai-nos é dar mais força para o jogo com a Sérvia. Agora os jogadores têm é de descansar e recuperar para depois conseguirmos vencer aqui a Sérvia [segunda-feira, também na Luz]."

A Ucrânia jogou à defesa e isso não surpreendeu Fernando Santos. "É uma técnica, sortiu efeito. Não vamos dizer que é um resultado que a gente gosta, porque não é. Não ganhámos. [Portugueses] São jogadores muito experientes, que vão ultrapassar rapidamente essa situação. Temos sete jogos, sete finais que temos de ganhar", avisou o selecionador campeão da Europa desvalorizando o regresso do capitão: "Não é importante focarmo-nos no regresso de Cristiano Ronaldo. O importante é Portugal. Hoje não ganhámos. Temos de entrar no aspeto coletivo do jogo e não no capítulo individual."

Depois considerou normal que se coloque em causa algumas decisões suas na sequência do empate (0-0), isto depois de uma questão sobre o facto de ter deixado João Félix no banco: "Dizer agora que o Félix, Pizzi, Manel, o António ou o Joaquim podiam ter sido a chave é fácil..."

Andriy Shevchenko: "Conseguimos fazer 80% do delineado"

O selecionador da Ucrânia, Andriy Shevchenko, começou por "agradecer a atmosfera proporcionada pelos adeptos" no Estádio da Luz : "Era importante sentirmos este apoio. Conseguimos fazer 80% do delineado. Não sofremos nenhum golo e isso era importante. Portugal atacou muito bem e isso dificultou as nossas ações atacantes. Conseguimos fazer alguns contra-ataques, mas não fomos bem sucedidos."

Dyego Souza "muito feliz" pela estreia apesar do empate

Dyego Sousa:"Muito feliz pela minha estreia, é um sonho tornado realidade. Já esperava por isso há muito tempo, mas estou triste pelo resultado. Agora é descansar e continuar a trabalhar porque temos outro jogo muito importante na próxima segunda feira, temos que sair com a vitória. Jogar pela Seleção portuguesa sempre foi o meu objetivo desde que cheguei a Portugal. Desde o Leixões, Portimonense, Tondela, Marítimo e agora Sp. Braga. Sempre quis chegar à Seleção e hoje estou aqui. Quero agradecer o carinho do povo português. Não vai faltar garra e determinação dentro de campo."

Bernardo Silva: "Foi um jogo menos conseguido da nossa seleção, sobretudo na primeira parte em que fomos mais monótonos e não conseguimos criar oportunidades de golo. Parabéns à Ucrânia que sai daqui com enorme confiança e que nos conseguiu criar dificuldades. Segunda-feira queremos fazer melhor e sair daqui [Sérvia] com os três pontos.(...) Quando se adiciona Ronaldo é sempre benéfico e temos muita sorte em tê-lo, mas hoje foi um jogo menos conseguido de todos nós."

William Carvalho: "Obviamente que queríamos os três pontos, mas defrontámos uma seleção que defendeu com onze jogadores. Foi difícil finalizar, mas agora há que recuperar, segunda-feira temos outro jogo importante."

Rúben Dias: "Fizemos uma boa exibição, apesar do resultado não ser o que queríamos. Queríamos ganhar, não nos passava outra coisa pela cabeça. Tivemos o controlo total do jogo, a bola acabou por não entrar, mas estivemos fortes."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.

Premium

João Taborda da Gama

Por que não votam os açorianos?

Nesta semana, os portugueses, a ciência política em geral, e até o mundo no global, foram presenteados com duas ideias revolucionárias. A primeira, da lavra de Rui Rio, foi a de que o número de deputados do Parlamento fosse móvel tendo em conta os votos brancos e nulos. Mais brancos e nulos, menos deputados, uma versão estica-encolhe do método de Hondt. É a mesma ideia dos lugares vazios para brancos e nulos, que alguns populistas defendem para a abstenção. Mas são lugares vazios na mesma, medida em que, vingando a ideia, havia menos pessoas na sala, a não ser que se fizesse no hemiciclo o que se está a fazer com as cadeiras dos comboios da ponte, ou então que nestes anos com mais brancos e nulos, portanto menos deputados, se passasse a reunir na sala do Senado, que é mais pequenina, mais maneirinha. A ideia é absurda. Mas a esquerda não quis ficar para trás neste concurso de ideias eleitorais e, pela voz do presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, chega-nos a ideia de incentivar votos com dinheiro.