Fernando Santos: "Esta equipa ainda tem muito para crescer, ainda está a cometer erros"

Treinador português falou sobre o triunfo sobre a Itália que qualificou Portugal para a final four da Liga das Nações, a nova prova de seleções da UEFA.

"Mais sofrimento do que estávamos à espera", admitiu Fernando Santos depois do jogo com a Itália (0-0), este sábado, em que Portugal garantiu um lugar na final four da Liga das Nações, a nova prova de seleções da UEFA.

"Houve mais sofrimento na 1ª parte, tivemos muitas dificuldades. Sabíamos bem o que que adversário fazia. Tivemos de adaptar alguns aspetos táticos do jogo. Sabemos dos momentos do meio-campo da Itália, ganham muitas segundas bolas. Fizeram isso muito bem com a Polónia. O movimento do Insigne para dentro criava muitos problemas e o Cancelo não fechou sempre o jogo o que fez com que o Rúben baixasse demasiado. Com isso, o Pizzi e o William não conseguiam controlar os outros três jogadores. Um dos médios fazia um movimento muito vertical, apanhava o Mário Rui em desequilíbrio contra dois jogadores. Tentei passar a mensagem para dentro de campo, chamei alguns jogadores ao pé de mim. Penso que a partir dos 25 minutos, quando perceberam o que estava a acontecer, conseguimos melhorar, mas faltou-nos bola e discernimento. Depois também caímos no exagero de sair a jogar na nossa zona defensiva, perdemos algumas bolas por isso..."

Por isso ao intervalo o técnico falou à equipa e pediu para "chutar para a frente, para o avançado segurar": "Ao intervalo as coisas melhoraram, os primeiros 15 minutos já foram mais equilibrados. A partir dai não houve mais sufoco. O jogo ficou equilibrado. A partir daí fomos em crescendo, retirando a bola à Itália, que deixou de ter condições para pressionar e teve decorrer atrás da bola. O resultado acabou por ser justo a partir do momento em que Portugal foi melhor na 2ª parte."

Na segunda parte "não houve mais sufoco" e Portugal "foi em crescendo no jogo". Muito por culpa da entrada de João Mário em campo. "Era importante ter jogadores que tivessem bola. A nossa estratégia não passa por ter o Bernardo a jogar quase como lateral, não é o que pretendemos. Era o que estava a acontecer. Logo aí a primeira troca ao intervalo foi passar o Pizzi para uma zona que ele conhece bem e libertar o Bernardo para zonas interiores. Com a entrada do João Mário, que progride bem com bola, a equipa foi melhorando", justificou o selecionador nacional fazendo depois um alerta: "Esta equipa ainda tem muito para crescer, ainda está a cometer erros."

Para quando Ronaldo de volta à seleção

Questionado sobre quando voltará Cristiano Ronaldo à seleção, Fernando Santos foi bastante perentório. "Já respondi a isso muitas vezes. É continuar a insistir no tema. Já disse mais do que uma vez. Há uma coisa que eu faço sempre, quando são conversas profissionais, eu mantenho-as onde tenho de as manter, que é só entre mim, o presidente e o atleta", disse à RTP no final do Itália-Portugal.

Depois quando questionado sobre o mesmo assunto na sala de imprensa foi lacónico a responder: "Não restam dúvidas que Cristiano Ronaldo faz parte e está com esta seleção."

Patrício: "Não sou um herói"

Rui Patrício fez duas grandes defesas e mostrou-se bastante satisfeito após o empate (0-0) da seleção das quinas frente à Itália, mas recusou o papel de herói."Não sou um herói. Heróis fomos todos, que lutámos para estar nesta final four. O jogo foi muito difícil, muito mais do que havia sido em Portugal mas conseguimos o nosso objetivo. Tivemos muitas dificuldades em ter a bola, frente a uma Itália que esteve muito bem. Lutámos pelo melhor resultado e isso é o mais importante", defendeu o guarda-redes português que esta noite foi capitão da seleção nacional.

Já João Mário, em declarações à Sport TV falou das dificuldades superadas. "Defrontámos uma excelente seleção, sabíamos que ia ser difícil. A primeira parte é deles, mas equilibrámos na segunda e conseguimos um ponto importante. Numa competição como esta nunca se pensa no empate. Defrontámos um adversário que teve mérito no modo como abordou o jogo, mas conseguimos o apuramento. Sabemos que é difícil ganhar a prova, vamos defrontar grandes seleções de certeza, mas estamos aqui para tentar", disse o médio que foi suplente utilizado e jogou em casa, ele que joga no Inter Milão.

Com este empate, Portugal garantiu o apuramento para a final four da Liga das Nações que será em Portugal, mais concretamente em Guimarães e Porto. "Nesses momentos em que o aperto é maior, em que o ajuste não corre como queremos, é preciso ter essa vontade extra. Hoje foi muito isso. Uma equipa italiana muito forte e nós a ajustar-nos da maneira como conseguimos. Quando isso não chegou, tivemos de usar muita vontade de queremos conseguir já aqui o apuramento", lembrou o defesa Rúben Dias, que fez dupla no centro da defesa com José Fonte.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.