Fernando Santos: "Vamos resolver a questão no jogo com a Itália"

Apesar de o empate chegar para o apuramento para o play-off da Liga das Nações, o selecionador nacional garante que Portugal vai a Milão para ganhar

Fernando Santos garantiu que os regressos de José Fonte, Raphaël Guerreiro, André Gomes e João Mário à seleção nacional para os jogos com Itália e Polónia (a 17 e 20 de novembro respetivamente), decisivos para o apuramento para o play-off da Liga das Nações, não representam a chamada da artilharia pesada da equipa.

"Não tem nada a ver com isso. A equipa respondeu muito bem nos últimos jogos que realizámos, por isso estou muito satisfeito e desejo que continue a mostrar a mesma capacidade", disse o selecionador nacional, que apesar de bastar um empate frente aos italianos para garantir o apuramento deixou uma certeza: "Portugal jogou e jogará sempre para ganhar."

«A primeira frase que tive quando aqui cheguei foi ganhar. Esse é o objetivo, com a certeza que vamos defrontar uma grande equipa, em processo de crescimento, que nada tem a ver com a equipa que nos defrontou aqui", acrescentou. Fernando Santos lembra que a seleção de Itália tem agora "um perfil diferente", com "jogadores mais móveis" e com "outra dinâmica", resultado "da entrada do Verratti no meio-campo".

Apesar da subida de forma dos italianos, "Portugal terá de jogar na condição de ganhar, sob pena de se alterar esse padrão, correr o risco de não o poder fazer", sublinhou Fernando Santos que acredita que a equipa das quinas vai "resolver a questão no jogo com a Itália", que se realiza em Milão três dias antes da receção à Polónia, em Guimarães.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.