Fernando Santos: "Merecíamos ter ido para o intervalo com uma vantagem superior"

O selecionador nacional realçou o triunfo da equipa das quinas frente à Itália, uma seleção que diz ser "muito forte".

O selecionador nacional Fernando Santos assumiu que este jogo com a Itália foi "ao nível que esperava", mostrando-se satisfeito pela vitória por 1-0 perante uma seleção "muito forte". "Acho que resultado foi justo e que Portugal podia ter feito mais um golo, mas ao contrário do que parece, foi um jogo difícil", sublinhou.

O técnico nacional considerou que os italianos "tentaram surpreender jogando com dois avançados", mas realçou que "à exceção dos dez minutos finais" da primeira parte, Portugal "merecia ter ido para o intervalo com uma vantagem superior" ao 1-0 que se registava.

Na segunda parte, Fernando Santos lamentou que a sua equipa "tivesse procurado manter a posse de bola, mas jogando para trás", algo que permitiu que "a Itália se superiorizasse nos últimos minutos", o que considera ser "normal", pois "muitas vezes não é possível manter um ritmo alto em todo o jogo".

O selecionador nacional sublinhou ainda que, após a entrada com o pé direito, está já "a pensar no próximo jogo", na Polónia, marcado para o dia 11 de outubro. "É um torneio difícil, só com três equipas, por isso vamos pensando jogo a jogo, mas a certeza é que queremos chegar à final four da Liga das Nações", acrescentou Fernando Santos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.