Fernando Santos: "Nenhuma equipa pode ser melhor sem o melhor do Mundo"

Selecionador português gostou do resultado e da exibição da seleção frente à Polónia, esta quinta-feira (3-2).

"Não gostei de alguns momentos. Mas entrámos bem, tivemos boa circulação e tirámos a Polónia do jogo. No ataque insistimos muito pela direita, pelo Cancelo, e carregámos bem por aí. Pelo lado esquerdo tivemos mais dificuldades. O Rafa no início tentou segurar mais a bola, jogar mais, mas a partir do momento em que se soltou começou a dar profundidade com e sem bola. E dominámos o jogo", resumiu o selecionador.

Mas como já é habitual, houve alguns períodos do jogo que não agradaram ao técnico nacional: "Sofremos de canto, normalmente não sofremos. A Polónia defende bem e é perigosa no contra-ataque. Felizmente reagimos bem. Fizemos dois golos e pedi mais qualidade até ao 3-1. A partir daí houve algum deslumbramento, a tocar na bola mas sem dinâmica. Tivemos algum sufoco no final, mas as duas grandes oportunidades são nossas, pelo Renato e pelo Bruno. Ganhámos bem."

A abundância de opções deixa Fernando Santos descansado: "É bom que estes jogadores cresçam em jogos com pontos. Isso é importante. Tenho estes e lá fora mais dez, 15 ou 20."

"Ronaldo é sempre Ronaldo"

Portugal jogou sem Ronaldo e jogou bem, mas isso não quer dizer que o selecionador prefira não ter o capitão disponível. "Nenhuma equipa pode ser melhor sem o melhor do Mundo. Se estivesse aqui não estávamos a falar disso. Não vale a pena falar de quem não está. Esperava isto da equipa, tem confiança, assume o jogo com naturalidade. Ronaldo é sempre Ronaldo", disse o treinador nacional.

Mas é possível inserir Ronaldo nesta equipa sem perder capacidade de envolvimento? "Jogámos com dois extremos, Cristiano é mais avançado do lado esquerdo que aparece nas zonas de finalização e que nos dá mais capacidade de finalização. Quando ele vier temos de encontrar solução para ele ter os seus movimentos e um jogador para abrir à esquerda. William está muito bem. Vamos continuar com estas soluções por agora", respondeu Santos.

A finalizar, o selecionador deixou um recado aos críticos: "Portugal só tem um foco, ganhar. Os resultados em jogos oficiais mostram isso. Umas vezes assim, outras vezes de outra forma. Não se chega a campeão da Europa sem querer ganhar. Os jogos são diferentes, dependem de jogadores, de adversários. Umas vezes mais defensivo, outras mais ofensivo, mas a defender bem, porque senão não se ganha."

Bernardo: "Vamos ver o que dá o Polónia-Itália"

Rafa passou de não convocado a titular. "Estava preparado para tudo. Ser chamado ou não ser chamado. O Guedes teve um problema, infelizmente, e cá estou. A vitória foi boa. Entrámos bem, a ter bola, mas sofremos aquele golo. Depois reagimos muito bem", confessou o jogador do Benfica, confiante na passagem à final-four da prova.

Rúben Neves foi responsável pelo passe que acabou por dar o 2-1 a Portugal: " Fizemos um bom jogo. Tentámos controlar com posse porque sabemos que Polónia é muito forte no jogo aéreo, nos confrontos físicos e na transição, por isso tentámos colocar a bola no chão e saímos com os três pontos (...) O passe saiu muito bem e deu golo para a equipa portuguesa e isso é o mais importante."

Para Bernardo Silva, "a Polónia entrou forte", melhor que Portugal, mas depois a seleção equilibrou o jogo e acabou a dominar: "Fomos intensos e criámos perigo. Sobretudo até aos 70 minutos tivemos posse de bola e fomos superiores. A vitória foi importantíssima para o objetivo de ficar no primeiro lugar. Vamos ver o que dá o Polónia-Itália."

O jogador do City diz que agora é esperar e "torcer pelo empate" entre os outros dois adversários, o que daria logo o primeiro lugar no grupo 3 a Portugal.

André Silva voltou a marcar pela seleção, no triunfo sobre a Polónia, num jogo em que Portugal começou por estar em desvantagem. "Reviravolta? Foi fruto do nosso trabalho e qualidade dos nossos jogadores. Há muito tempo que demonstramos isso. Graças ao trabalho do mister que tem tentado que o nosso jogo flua. Tentámos virar o jogo e felizmente conseguimos", disse o avançado do Sevilha, falando ainda sobre o bom início de época: "Penso que não há um renascimento. Estou confiante e trabalho e as coisas acabam por sair. Graças aos meus companheiros que também me têm ajudado."

Ler mais

Exclusivos

Premium

educação

O que há de fascinante na Matemática que os fez segui-la

Para Henrique e Rafael, os números chegaram antes das letras e, por isso, decidiram que era Matemática que seguiriam na universidade, como alunos do Instituto Superior Técnico de Lisboa. No dia em que milhares de alunos realizam o exame de Matemática A, estes jovens mostram como uma área com tão fracos resultados escolares pode, afinal, ser entusiasmante.