Fernando Santos diz que Itália "continua a ser um histórico mundial"

Treinador da equipa das quinas refere que "não há favoritos neste tipo de competições" e que "o apoio do público pode dar alguma vantagem"

O selecionador português de futebol afirmou este domingo que a Itália "continua a ser um histórico mundial, apesar de ter falhado o Mundial2018, e revelou que o 'onze' luso será semelhante ao apresentado no particular com a Croácia (1-1).

"Tanto a Croácia como a Itália são duas grandes seleções. A Itália é um histórico mundial e não é por não ter estado presente no último Mundial que deixa de o ser. O jogo com a Croácia era particular, não tinha pontos. Este jogo já se insere numa nova competição. Espero que a minha equipa esteja ao seu nível", afirmou Fernando Santos, em conferência de imprensa.

O técnico fazia a antevisão da partida com os transalpinos, que marca a estreia de Portugal no Grupo 3 da Liga das Nações A, na segunda-feira, sendo que a 'squadra azzurra' empatou o primeiro jogo, a receção à Polónia (1-1).

"Acho que vai ser um grande jogo. Sabemos o valor da equipa da Itália. Na primeira parte, a Polónia conseguiu criar mais problemas à Itália em transições. Na segunda parte, a Itália foi mais forte, mais pressionante e chegou ao empate. A Itália tem essa vontade enorme de mostrar a sua mais-valia, depois de ter falhado o Mundial", referiu.

O selecionador nacional destacou, entre outros, o médio italo-brasileiro Jorginho, que trouxe "características de jogo diferentes" à formação comandada por Roberto Mancini, bem como Lorenzo Insigne e Federico Chiesa.

Apesar de considerar que "não há favoritos neste tipo de competições", Santos admitiu que "o apoio do público pode dar alguma vantagem" a Portugal, que não deverá apresentar-se com uma equipa titular muito distante da que defrontou a Croácia: "Não espero muitas alterações."

Com alguns jornalistas italianos presentes na conferência de imprensa, acabou por surgir uma questão sobre a falta de golos de Cristiano Ronaldo nos primeiros três jogos oficiais pela Juventus, algo que Fernando Santos desvalorizou.

"Esperem um bocadinho e vão ver os golos que ele vai marcar", atirou, de pronto.

Já Pepe disse esperar "um jogo difícil" perante a Itália e mostrou-se "bastante feliz" por ter atingido as 100 internacionalizações por Portugal, no recente particular com a Croácia.

"Nunca pensei que pudesse fazer tantos jogos, até porque temos uma profissão arriscada, com lesões e épocas desgastantes. Ainda cheguei lá. Estou bastante feliz por representar a seleção portuguesa, isso, sim, um sonho", salientou.

Aos 35 anos, o central do Besiktas, que já leva cinco golos esta temporada, um dos quais no empate de Portugal com a Croácia, disse que "o trabalho em cada treino e a atenção elevada na hora de recuperar" são a base para a longevidade na carreira e no rendimento.

Por outro lado, Pepe deixou elogios à nova geração de jogadores que começa a surgiu na seleção principal, entre os quais os centrais Pedro Mendes e Rúben Dias, este último com quem já formou parceria no eixo defensivo.

"Portugal é que sai mais beneficiado. Esta geração vem com muita qualidade. Uma das virtudes do Rúben é a humildade, quer sempre aprender. O futuro passa por eles. Espero que o futuro seja bastante risonho para todos eles e para nós, portugueses", concluiu.

Portugal recebe a Itália na segunda-feira, a partir das 19:45, no Estádio da Luz, em Lisboa, num encontro que será dirigido pelo escocês William Collum.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.