Fernando Alonso nas 500 milhas de Indianápolis à procura da tripla coroa

O piloto espanhol de Fórmula 1 vai disputar a próxima edição das 500 milhas de Indianápolis, nos Estados Unidos, integrado na sua atual equipa, a McLaren, foi este sábado anunciado.

Alonso, que este ano terminará a sua carreira na Fórmula 1, vai assim competir na 103.ª edição da prova norte-americana, agendada para 26 de maio.

Em 2017, o espanhol, bicampeão mundial da categoria rainha do automobilismo de pista, liderou as 500 milhas de Indianápolis durante 27 voltas, mas foi forçado a abandonar a 21 voltas do final, devido a um problema no motor.

O objetivo de Alonso é conquistar a tripla coroa, atribuída aos vencedores do Grande Prémio do Mónaco, das 500 milhas de Indianápolis e das 24 Horas de Le Mans.

"Deixei claro que o meu objetivo é a tripla coroa. Tive uma experiência incrível em Indianápolis em 2017 e percebi que queria muito regressar àquela competição", disse Alonso, em comunicado.

O piloto espanhol já venceu duas vezes o Grande Prémio do Mónaco, em 2006 e 2007, e este ano triunfou nas 24 Horas de Le Mans.

.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.