Federação Internacional de Ténis apoia árbitro português Carlos Ramos

"Carlos Ramos é um dos árbitros mais experientes e respeitados no ténis", refere a ITF em comunicado

A Federação Internacional de Ténis (ITF) defendeu esta segunda-feira a atuação do árbitro Carlos Ramos na sequência do incidente protagonizado pela norte-americana Serena Williams, na final feminina do Open dos Estados Unidos.

Em comunicado, a ITF destaca o trajeto e a correta atuação do árbitro português, face à atitude daquela tenista, que perdeu a final de Flushing Meadows frente à japonesa Naomi Osaka.

"Carlos Ramos é um dos árbitros mais experientes e respeitados no ténis. As decisões estavam de acordo com as regras pertinentes e foram reafirmadas com a decisão da organização do US Open em multar Serena Williams pelas três ofensas que fez", refere o comunicado.

De acordo com a ITF, "é compreensível que este incidente grave e lamentável deva provocar um debate". "Ao mesmo tempo, é importante recordar que o senhor Ramos assumiu as suas funções como funcionário de acordo com o regulamento correspondente e atuou sempre com profissionalismo e integridade", reforçou a ITF.

Serena Williams, recordista de títulos em Grand Slams (com 23), provocou um incidente polémico na final feminina, protestando de forma intensa e reiterada, tendo insultado mesmo Carlos Ramos, a quem chamou "ladrão e mentiroso".

No sábado, a japonesa Naomi Osaka conquistou o seu primeiro título do Grand Slam, ao vencer Serena Williams por 6-2 e 6-4, na final do Open dos Estados Unidos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.