FC Porto volta a perder, agora com o Lille (1-2)

O médio português Xeka (ex-Sp. Braga) marcou o primeiro golo da partida que decorre no Estádio do Algarve, tendo Hernâni marcado para os dragões. Mothiba desempatou aos 86' e acentuou a preocupação de Conceição

FC Porto voltou a perder. Em dois jogos no Algarve, duas derrotas, a primeira com o Portimonense, a segunda esta sexta-feira diante do Lille, equipa do principal escalão francês.

Sérgio Conceição apostou de início em Fabiano, no jovem central Diogo Leite e no avançado André Pereira, que tem estado em destaque nesta pré-época.

No primeiro tempo o Lille e o FC Porto dividiram oportunidades, com Marega a desperdiçar a melhor hipótese para os dragões. Bamba e Pépé tiveram o golo inaugural à sua mercê mas ao intervalo o nulo estaria bem estampado no marcador.

No segundo tempo, já com algumas mudanças o Lille adiantou-se pelo portiuguês Xeka. Foi o médio, que há duas épocas alinhou no Sp. Braga, a fazer o primeiro golo do jogo 64 minutos, com um golpe de cabeça. O extremo Hernâni repôs o empate no jogo com um remate de fora da área que ainda desviou em Soumaoro antes de entrar.

A quatro minutos do final, e já depois de Waris ter desperdiçado isolado um golo fácil, Mothiba finalizou bem um contra-ataque e deu io triunfo aos gauleses. E acentuou, claro está, a preocupação de Sérgio Conceição.

Eis o onze inicial do FC Porto: Fabiano; Chidozie, Felipe, Diogo Leite e Alex Telles; Sérgio Oliveira, Paulinho, Óliver Torres; Marega, André Pereira e Brahimi.

Ao intervalo entraram: João Pedro, Waris, Otávio, Hernâni, Adrian López, Vaná, Soares, Mikel Agu, Oleg Reabciuk.

Onze do Lille: Jakubech, Gabriel, El Ghazi, Ikone, Faraj, Edgar Ié, Celik, Mothiba, Droehnle, Mendes Ribeiro, Zekaj, Kouame, Koffi.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.