De mais caro de sempre do FC Porto ao último da Liga Espanhola

O médio francês Gianneli Imbula foi esta quinta-feira oficializado como reforço do Rayo Vallecano, cedido por um ano pelos ingleses do Stoke.

Ambos os emblemas anunciaram o acordo através dos respetivos sítios oficiais na internet, no qual o Stoke referiu que o futebolista fez apenas 28 jogos desde que chegou a terras inglesas, em janeiro de 2015, tendo passado a temporada passada emprestado aos franceses do Toulouse.

Imbula causou sensação no verão de 2015 quando o FC Porto fez dele a contratação mais cara de sempre do clube, pagando 20 milhões de euros ao Marselha - entretanto, esse recorde foi igualado por Óliver Torres, oriundo do Atlético Madrid a título definitivo no verão passado.

No entanto, se o médio francês fez capas de jornais aquando da sua contratação, foi incapaz de justificar o mesmo protagonismo pelo seu desempenho com a camisola azul e branca, tendo sido transferido para os ingleses do Stoke City em janeiro de 2016 por 25 M. Também não pegou em Inglaterra, tendo passado a temporada transata emprestado ao Toulouse.

Agora, voltará a ser cedido, mas ao Rayo Vallecano, tornando-se o 11.º reforço da equipa orientada por Míchel, depois de Kakuta, Advíncula, Tito, Medrán, Amat, Pozo, Álvaro García, José León, Velázquez e Raúl de Tomás.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.