Ex-ciclista Jan Ullrich internado num hospital psiquiátrico

Campeão olímpico em 2000 e vencedor do Tour de França em 1997, ciclista alemão de 44 anos tentou estrangular prostituta quando estava sob influência de álcool e drogas. Foi aberto um processo por tentativa de homicídio e lesões corporais graves.

O antigo ciclista alemão Jan Ullrich, campeão olímpico em Sydney (2000) e vencedor do Tour de França em 1997, deu entrada num hospital psiquiátrico, na sequência de uma agressão a uma prostituta.

Na sexta-feira, Ullrich tinha sido detido em Frankfurt depois de ferir e agredir uma prostituta, e acabou por ser internado.

"Jan Ullrich foi admitido numa clínica psiquiátrica na sexta-feira à noite, e o seu estado de saúde está a ser avaliado por especialistas", disse hoje à agência France-Presse um porta-voz da polícia de Frankfurt.

O antigo ciclista tinha passado a noite de quinta para sexta-feira na companhia de uma mulher, de 31 anos, que atacou e tentou estrangular, com a polícia a deter Ullrich na sexta-feira de manhã, num hotel de luxo em Frankfurt.

O antigo ciclista, de 44 anos, estava "sob influência de álcool e drogas" no momento da detenção, revelou o procurador Nadja Niesen, acrescentando que foi aberto um processo "por tentativa de homicídio e lesões corporais graves".

No dia da detenção, as autoridades decidiram não manter o ex-ciclista sob custódia, entendendo que as "condições para encarceramento não estavam reunidas".

"Face ao seu estado mental e físico, não havia outra escolha" que não fosse a de transportar Ullrich para um hospital psiquiátrico, acrescentou um porta-voz da polícia.

Numa entrevista recente dada a uma publicação alemã, Ullrich admitiu que estava viciado em álcool e drogas, sobretudo devido ao divórcio que está a viver e à impossibilidade de estar com os seus filhos.

Jan Ullrich tornou-se em 1997 no único ciclista germânico a vencer o Tour de França e, em 2000, arrecadou uma medalha ouro e uma de prata nos Jogos Olímpicos de Sydney. Foi ainda o vencedor do contrarrelógio no Campeonato Mundial de Ciclismo em Estrada, que se realizou em Lisboa em 2001.

O alemão acabou a carreira em 2007, depois de ter estado envolvido vários casos de doping.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.