Ex-ciclista Jan Ullrich internado num hospital psiquiátrico

Campeão olímpico em 2000 e vencedor do Tour de França em 1997, ciclista alemão de 44 anos tentou estrangular prostituta quando estava sob influência de álcool e drogas. Foi aberto um processo por tentativa de homicídio e lesões corporais graves.

O antigo ciclista alemão Jan Ullrich, campeão olímpico em Sydney (2000) e vencedor do Tour de França em 1997, deu entrada num hospital psiquiátrico, na sequência de uma agressão a uma prostituta.

Na sexta-feira, Ullrich tinha sido detido em Frankfurt depois de ferir e agredir uma prostituta, e acabou por ser internado.

"Jan Ullrich foi admitido numa clínica psiquiátrica na sexta-feira à noite, e o seu estado de saúde está a ser avaliado por especialistas", disse hoje à agência France-Presse um porta-voz da polícia de Frankfurt.

O antigo ciclista tinha passado a noite de quinta para sexta-feira na companhia de uma mulher, de 31 anos, que atacou e tentou estrangular, com a polícia a deter Ullrich na sexta-feira de manhã, num hotel de luxo em Frankfurt.

O antigo ciclista, de 44 anos, estava "sob influência de álcool e drogas" no momento da detenção, revelou o procurador Nadja Niesen, acrescentando que foi aberto um processo "por tentativa de homicídio e lesões corporais graves".

No dia da detenção, as autoridades decidiram não manter o ex-ciclista sob custódia, entendendo que as "condições para encarceramento não estavam reunidas".

"Face ao seu estado mental e físico, não havia outra escolha" que não fosse a de transportar Ullrich para um hospital psiquiátrico, acrescentou um porta-voz da polícia.

Numa entrevista recente dada a uma publicação alemã, Ullrich admitiu que estava viciado em álcool e drogas, sobretudo devido ao divórcio que está a viver e à impossibilidade de estar com os seus filhos.

Jan Ullrich tornou-se em 1997 no único ciclista germânico a vencer o Tour de França e, em 2000, arrecadou uma medalha ouro e uma de prata nos Jogos Olímpicos de Sydney. Foi ainda o vencedor do contrarrelógio no Campeonato Mundial de Ciclismo em Estrada, que se realizou em Lisboa em 2001.

O alemão acabou a carreira em 2007, depois de ter estado envolvido vários casos de doping.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.