Ex-ciclista Jan Ullrich detido na Alemanha por agredir prostituta

O antigo ciclista alemão, campeão olímpico em Sydney 2000 e vencedor do Tour de França em 1997, foi detido em Frankfurt depois de ter agredido uma prostituta, revelou esta sexta-feira a agência France-Presse, citando fontes policiais.

Ullrich, de 44 anos, foi detido durante a manhã num hotel dessa cidade germânica, onde terá passado a noite com a prostituta, e estava sob a influência de álcool e drogas, acrescentou a policia local, adiantado que o antigo ciclista vai continuar sob custódia.

O ex-atleta alemão volta a ter problemas com a justiça, uma semana depois de ter sido também detido em Palma de Maiorca, em Espanha, mas por alegada invasão de propriedade e ameaças.

Numa entrevista recente dada a uma publicação alemã, Ullrich admitiu que estava viciado em álcool e drogas, sobretudo devido ao divórcio que está a viver e à impossibilidade de estar com os seus filhos.

Jan Ullrich tornou-se em 1997 no único ciclista germânico a vencer o Tour de França e, em 2000, arrecadou uma medalha ouro e uma de prata nos Jogos Olímpicos de Sydney.

O alemão acabou a carreira em 2007, depois de ter estado envolvido vários casos de doping.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.