Everton e Chelsea seguem em frente na Taça de Inglaterra

Equipa de Marco Silva sentiu dificuldades para ultrapassar o modesto Lincoln e os londrinos venceram o Nottigham Forest com dois golos de Morata.

O Everton, orientado pelo português Marco Silva, qualificou-se este sábado para a quarta eliminatória da Taça de Inglaterra de futebol, ao vencer por sofrido 2-1 o Lincoln City, do quarto escalão, enquanto o Chelsea bateu o Nottingham Forest, por 2-0.

A jogar em casa, a formação comandada pelo técnico português construiu o resultado em dois minutos, com golos do jovem Lookman, aos 12, e do brasileiro Bernard, aos 14, tendo Michael Bostwick reduzido para o líder da 'League Two', aos 28'.

O médio internacional luso André Gomes começou o jogo no banco de suplentes do Everton, mas acabou por ser 'lançado' por Marco Silva após o intervalo, para o lugar de Tom Davies, numa partida em que os 'toffees' sofreram muito para seguir em frente.

O Chelsea, detentor do troféu, que se apresentou com várias alterações no 'onze', também se apurou para os 16 avos de final da prova, ao vencer por 2-0 na receção ao Nottingham Forest, sétimo classificado do segundo escalão, que contou com o médio português João Carvalho durante os 90 minutos.

O espanhol Álvaro Morata foi a grande figura do encontro, ao anotar os dois tentos do triunfo dos 'blues', aos 49 e 59 minutos, mas também pelo clamoroso falhanço imediatamente antes de 'faturar' o segundo, concluindo sobre a barra, quando estava a pouco mais de um metro da linha 'fatal'.

O Southampton, com o internacional português Cédric Soares de início, desperdiçou uma vantagem de dois golos e deixou-se empatar 2-2 com o Derby County. Nathan Redmond marcou duas vezes para os 'saints', mas Jack Marriott e Tom Lawrence repuseram a igualdade e obrigaram à disputa de um encontro de desempate.

Fora da quarta eliminatória ficou o primodivisionário Cardiff, que perdeu por 1-0 no reduto do Gillingham, formação que atua na 'League One'.

O Manchester United já se tinha apurado para a quarta eliminatória, ao vencer o Reading, orientado pelo português José Gomes, por 2-0, somando a quinta vitória seguida sob o comando de Solskjaer.

Em Old Trafford, os 'red devils', que contaram com o português Diogo Dalot a titular no lado direito da defesa, marcaram por intermédio do espanhol Juan Mata, aos 22 minutos, de grande penalidade, e do belga Romelu Lukaku, aos 45+4, impondo o segundo desaire seguido a José Gomes.

O West Ham, com o português Xande Silva a titular, também se apurou para os 16 avos de final, ao vencer na receção ao Birmingham, do 'Championship', por 2-0, enquanto o Brighton foi a Bournemouth vencer por 3-1 e o Burnley bateu o Barnsley por 1-0.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.