Marta Pen na final dos 1.500 metros

A atleta portuguesa foi esta sexta-feira terceira na sua meia-final de 1.500 metros e conseguiu o apuramento direto para a final, a disputar no último dia dos Europeus de Atletismo, no domingo, às 19:00 de Lisboa.

A atleta do Benfica enfrentou uma prova lenta, mas sempre mostrou argumentos para as mudanças de velocidade que se vieram a verificar, mantendo-se no grupo da frente e respondendo à mudança de velocidade imposta pela britânica Laura Muir.

Muir acabou por vencer esta meia-final, com 4.09,12 minutos, à frente da irlandesa Ciara Magean (4.09,3), enquanto Marta Pen terminou em terceiro lugar, com a marca de 4.09,40. Apuravam-se as quatro primeiras.

Na segunda meia-final triunfou Sofia Ennaoui, da Polónica, com 4.08,60 minutos.

Entretanto, no salto com vara, Diogo Ferreira não foi feliz e não conseguiu o apuramento para a final. Depois de passar 5,16 metros à primeira tentativa e 5,36 à segunda, o atleta do Benfica não conseguiu superar os 5,51 metros, terminando em 14º lugar.

A sua melhor tentativa foi logo a primeira, tocou na fasquia, parecia que ela ficaria nos apoios, mas o vento fê-la cair e depois, nas outras tentativas, já não esteve tão bem.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...