Marcelo felicita Inês Henriques pelo título europeu

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, felicitou esta terça-feira a atleta Inês Henriques pela conquista do título europeu nos 50 quilómetros de marcha, em Berlim, numa mensagem divulgada no sítio oficial da Presidência na Internet.

"Depois do recorde do mundo da modalidade e do título mundial, ambos conquistados em 2017, uma vez mais a atleta portuguesa de marcha nos enche de orgulho e alegria. Agora, em Berlim, Inês Henriques veio confirmar o excelente resultado do ano passado em Londres, alcançando o título europeu dos 50 quilómetros de marcha", escreveu o chefe de Estado.

A marchadora do CN Rio Maior tornou-se na primeira campeã europeia na distância, que se estreou em Europeus, ao concluir em 4:09.21 horas, deixando a ucraniana Alina Tsviliy, segunda classificada, a 3.23 minutos, e a espanhola Julia Takács, terceira, a 6.01.

Inês Henriques já deteve o recorde do mundo (4:05.56) desde 13 de agosto de 2017, quando conquistou o título mundial, em Londres, mas Liang Rui retirou 1.20 minutos à sua marca (4:04.36), em 05 de maio último, no Mundial de marcha por Nações, em Taicang, na China.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.