Ana Cabecinha oitava nos 20 kms marcha, Edna Barros desistiu

A atleta portuguesa Ana Cabecinha foi oitava classificada nos 20 quilómetros marcha dos Europeus de atletismo, que decorrem em Berlim, numa prova em que Edna Barros desistiu.

Na disciplina que deu até ao momento a única medalha a Portugal em Berlim, com a medalha de ouro de Inês Henriques nos 50 quilómetros marcha, Ana Cabecinha andou quase sempre no grupo da frente, chegando a estar em terceiro.

A atleta bejense, que competiu nos Jogos de Pequim2008 (8.ª), em Londres2012 (9.ª) e no Rio2016 (6.ª), terminou em 01:29.49 horas, a 03.13 minutos da vencedora, a espanhola Mária Pérez, com recorde nos campeonatos (01:26.36).

A competição feminina foi atrasada em quase duas horas, por questões de segurança, devido a um forte cheiro a gás, junto à zona dos abastecimentos, que obrigou a uma avaliação por parte dos bombeiros.

A corrida, inicialmente prevista para as 09:05 em Berlim (08:05 em Lisboa), apenas começou cerca das 10:55 (09:55 em Lisboa), até estarem garantidas todas as condições, com a organização a informar que a mesma se efetuaria "juntamente com a masculina".

Nos masculinos, a vitória foi também de um espanhol, Alvaro Martins, que se sagrou campeão europeu com 01:20.42 horas, à frente do seu compatriota Diego García Carrera (01:20.48).

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.