Europeu sub-19: "Não é geração de ouro, vem de trás", diz Hélio

Selecionador sabe bem a matéria-prima preciosa que tem entre mãos, mas prefere enaltecer o trabalho de sapa que tem vindo a ser feito na Federação por dirigentes, técnicos e atletas. E a medalha é a evolução dos jogadores

Logo após a emocionante final do Euro sub-19, que Portugal venceu (4-3 à Itália, após prolongamento), o selecionador Hélio Sousa mostrava-se radiante, mas sem perder as faculdades mentais. "Acho que não se pode dizer que é uma geração de ouro, isto vem muito de trás, é uma vitoria para todos, os jogadores que estiveram connosco o ano passado mandaram-nos mensagens de apoio antes do jogo, o apoio ajuda-nos a ser mais fortes", resumiu o treinador campeão europeu.

"Estes jogadores têm muitas condições para serem profissionais de futebol, mas sim, é uma geração que tem tido quantidade na qualidade e devemos muito aos clubes, que têm feito um investimento cada vez maior para ajudar no desenvolvimento destes jogadores. E nós temos sido o parceiro ideal para os desenvolver. Essas são as nossas medalhas e é isso que nos enche o coração", exultou Hélio.

As emoções, essas, são mais complexas. "São momentos difíceis de explicar, tenho de agradecer a muitas pessoas, em particular a todos os meus colegas, temos sido uma equipa estável, solidária, temos ajudado a desenvolver uma identidade enorme, e a estes jogadores, que têm sido extraordinários", começou por dizer.

"Temos continuado a crescer, a evoluir e a ficar a cada momento mais fortes, eles merecem e agora a consequência de tudo o que fizemos é ter criado um momento único para Portugal e que muitos nos honra representar Portugal", explicou, dando pouca relevância às contrariedades (Diogo Leite e Miguel Luís não puderam jogar devido a lesão). "Sabe bem, é mais uma demonstração do trabalho que temos desenvolvido, acreditamos nos jogadores todos, a qualquer momento os jogadores têm que estar preparados para dar o seu máximo, têm esse compromisso e a nossa confiança é total, e eles depois acrescentam valor", salientou.

Pelo meio das declarações à Sport TV, caiu um telefonema. "Falei com o presidente da Federação Portuguesa de Futebol, que nos felicitou a todos. Temos de lhe agradecer as excelentes condições e o desenvolvimento, é bom os nossos jogadores chegarem à nossa casa e sentirem que é deles e que tudo é de excelência", comentou sobre a chamada de Fernando Gomes.

Finalmente, uma declaração mais emocional: "Quero agradecer muito à minha mãe, à minha família, isto é tudo para eles".

Palavra aos goleadores

Portugal colocou-se no topo da Europa em sub-19 e pelo caminho houve dois jogadores que aproveitaram para chegar ao cume particular dos golos marcados. Francisco Trincão e Jota foram os goleadores do torneio, com cinco golos cada.

"É uma sensação incrível, é o culminar de um grande Europeu, estivemos bem e conseguimos o objetivo, que era ganhar", sintetizou Francisco Trincão, avançado do Sp. de Braga. "Quisemos muito ganhar, tivemos muito coração, mais querer do que a Itália e fomos mais competentes", analisou o jogador.

Trincão evitou falar em vingança frente à Itália, pela derrota na final do Europeu de 2003: "Não, não pensámos nisso, os jogos tiveram histórias diferentes, estudámos bem o adversário e isto é mais do que merecido".

Pessoalmente, estava nos píncaros. "Agradeço à minha família, aos meus amigos, ao meu empresário, sem eles não era possível", retribuiu o goleador. "Sempre foi um objetivo fazer um bom Europeu, sempre quis dar o meu melhor e as coisas vêm naturalmente e é isso que interessa, ganhar e ser campeão", concluiu, falando da chegada a Lisboa esta segunda-feira, por volta das 21.00. "Queremos uma grande receção dos adeptos, queremos muitos portugueses, como já tivemos aqui durante o torneio", antecipou.

Já João Filipe "Jota" estava extasiado com o desempenho pessoal, vincado pelos cinco golos. "Foram momentos muito felizes, tive oportunidade também porque havia uma equipa muito forte atrás de mim a conseguir pôr-me a bola em condições, mas também consegui criar passes e oportunidades. Felizmente, consegui concretizar. Acho que tudo correu bem e da melhor forma. Agora é não parar nesta maré", comentou.

"Era um dos objetivos que tínhamos desde o início, sabíamos a qualidade que tínhamos. Alcançar isto era só o concretizar de um sonho e conseguimos. Estamos todos muito felizes. Foi muito trabalho, engane-se quem pensa que isto é fácil, porque não é. Foram 30 e tal dias a preparar isto e conseguimos alcançar o topo", prosseguiu Jota. "Sim, foi uma final sofrida, mas acho que nós portugueses já estamos habituados, sempre na última e assim também é mais saboroso. Dar também uma palavra aos portugueses porque este troféu também é deles por tudo aquilo e todas as dificuldades pelas quais passamos. Somos um povo humilde, trabalhador e ambicioso. Acho que ficou aqui demonstrada a atitude de todos os portugueses pelo Mundo", elogiou.

"O Marcelo Rebelo de Sousa também nos apelidava de geração de ouro e nós queríamos dar a resposta. Mas temos de continuar assim, no topo. Vencemos o Europeu de sub-17, falhámos depois nos sub-18 e agora vencemos o Europeu de sub-19, mas já estamos a pensar no Mundial sub-20 que é o nosso próximo objetivo", lançou, já, como desafio.

Por falar em Presidente da República, a equipa que chegará esta segunda-feira a Lisboa por volta das 21.00 será recebida em Belém pelo chefe de Estado na terça-feira, ao final da manhã.

Ler mais

Exclusivos