Europeu de hóquei: Portugal goleia Inglaterra e joga meia-final com a Itália

A seleção nacional venceu a seleção inglesa por 14-2? e joga o acesso à final este sábado às 21.00 horas

A seleção nacional de hóquei em patins goleou esta sexta-feira a Inglaterra, por 14-2, e garantiu um lugar nas meias-finais do Campeonato da Europa de hóquei em patins, que decorre na Corunha, Espanha.

A equipa treinada por Luís Sénica vai este sábado defrontar a Itália (21.00), que venceu Andorra por 6-2, procurando atingir mais uma final do Europeu da modalidade.

Portugal teve uma noite tranquila no pavilhão do Riazor, diante dos ingleses, pois ao intervalo já ganhava por 5-1. Vítor Hugo foi a grande figura da partida ao marcar quatro golos, tendo Poka e João Rodrigues contabilizado três cada um. Os restantes foram da autoria de Gonçalo Alves, Rafa, Diogo Rafael e Hélder Nunes.

Refira-se que João Rodrigues ganhou ainda mais vantagem na liderança da lista de melhores marcadores do Europeu, atingindo os 21 golos, mais dez que o francês Carlo di Benedetto e o italiano Andrea Malagoli.

Na outra meia-final, também marcada para este sábado, vão defrontar-se a Espanha e a França. Os espanhóis golearam a Suíça por 10-2, enquanto os franceses bateram a Alemanha, por 5-2.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.