Europeu de hóquei: Portugal goleia Inglaterra e joga meia-final com a Itália

A seleção nacional venceu a seleção inglesa por 14-2? e joga o acesso à final este sábado às 21.00 horas

A seleção nacional de hóquei em patins goleou esta sexta-feira a Inglaterra, por 14-2, e garantiu um lugar nas meias-finais do Campeonato da Europa de hóquei em patins, que decorre na Corunha, Espanha.

A equipa treinada por Luís Sénica vai este sábado defrontar a Itália (21.00), que venceu Andorra por 6-2, procurando atingir mais uma final do Europeu da modalidade.

Portugal teve uma noite tranquila no pavilhão do Riazor, diante dos ingleses, pois ao intervalo já ganhava por 5-1. Vítor Hugo foi a grande figura da partida ao marcar quatro golos, tendo Poka e João Rodrigues contabilizado três cada um. Os restantes foram da autoria de Gonçalo Alves, Rafa, Diogo Rafael e Hélder Nunes.

Refira-se que João Rodrigues ganhou ainda mais vantagem na liderança da lista de melhores marcadores do Europeu, atingindo os 21 golos, mais dez que o francês Carlo di Benedetto e o italiano Andrea Malagoli.

Na outra meia-final, também marcada para este sábado, vão defrontar-se a Espanha e a França. Os espanhóis golearam a Suíça por 10-2, enquanto os franceses bateram a Alemanha, por 5-2.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.