Esteve em cinco Mundiais e agora pendurou as botas

Mexicano Rafael Márquez anuncia fim de carreira como futebolista. Foi duas vezes campeão europeu e tem quatro títulos de campeão espanhol no palmarés.

Aos 39 anos, e pouco depois de ter disputado o seu quinto Mundial, o mexicano Rafael Márquez anunciou o seu adeus ao futebol. O experiente defesa/médio escreveu na sua conta de Twitter uma emocionada carta de despedida sobre os 22 anos de carreira. E deixou no ar a possibilidade de continuar ligado ao futebol. "Isto não é um adeus, é um até breve", garantiu.

Rafael Márquez é o terceiro futebolista a jogar em cinco Mundiais, igualando o seu compatriota Antonio Carbajal e o alemão Lothar Matthäus.

Márquez conseguiu ainda superar outro registo em solo russo, pois tornou-se o jogador em toda a história dos Mundiais a capitanear mais vezes uma seleção - 17. O anterior recordista era um tal de Diego Armando Maradona.

Em representação da seleção do México, Rafael Márquez fez 148 encontros. A nível de clubes começou e acabou no Atlas, clube do seu país. O seu segundo emblema foi o Mónaco, daí saiu para o Barcelona, onde viveu o apogeu da sua carreira, ao sagrar-se quatro vezes campeão espanhol e campeão europeu em duas ocasiões.

Em 2010 deixou a Catalunha tendo prosseguido a carreira nos Estados Unidos, ao serviço dos New York Red Bulls. Voltou mais tarde ao México para vencer dois campeonatos pelo León, tendo-se retirado agora no Atlas, não sem antes ter estado uns meses no Hellas Verona.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.