Esteve em cinco Mundiais e agora pendurou as botas

Mexicano Rafael Márquez anuncia fim de carreira como futebolista. Foi duas vezes campeão europeu e tem quatro títulos de campeão espanhol no palmarés.

Aos 39 anos, e pouco depois de ter disputado o seu quinto Mundial, o mexicano Rafael Márquez anunciou o seu adeus ao futebol. O experiente defesa/médio escreveu na sua conta de Twitter uma emocionada carta de despedida sobre os 22 anos de carreira. E deixou no ar a possibilidade de continuar ligado ao futebol. "Isto não é um adeus, é um até breve", garantiu.

Rafael Márquez é o terceiro futebolista a jogar em cinco Mundiais, igualando o seu compatriota Antonio Carbajal e o alemão Lothar Matthäus.

Márquez conseguiu ainda superar outro registo em solo russo, pois tornou-se o jogador em toda a história dos Mundiais a capitanear mais vezes uma seleção - 17. O anterior recordista era um tal de Diego Armando Maradona.

Em representação da seleção do México, Rafael Márquez fez 148 encontros. A nível de clubes começou e acabou no Atlas, clube do seu país. O seu segundo emblema foi o Mónaco, daí saiu para o Barcelona, onde viveu o apogeu da sua carreira, ao sagrar-se quatro vezes campeão espanhol e campeão europeu em duas ocasiões.

Em 2010 deixou a Catalunha tendo prosseguido a carreira nos Estados Unidos, ao serviço dos New York Red Bulls. Voltou mais tarde ao México para vencer dois campeonatos pelo León, tendo-se retirado agora no Atlas, não sem antes ter estado uns meses no Hellas Verona.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.