Dinamarca resolve diferendo interno e vence País de Gales

O médio Christian Eriksen marcou este domingo os dois golos da vitória dos nórdicos frente aos galeses, por 2-0, em jogo da Liga das Nações, depois de resolvido o diferendo entre futebolistas e a federação dinamarquesa.

Na quarta-feira, a Dinamarca foi derrotada na Eslováquia (3-0), num jogo particular em que utilizou os jogadores possíveis face à ausência dos habituais convocados, em linha de rutura com a federação de futebol quanto a aspetos financeiros.

O acordo temporário alcançado na sexta-feira permitiu o regresso dos principais jogadores, entre os quais o médio do Tottenham, que deu vantagem à seleção dinamarquesa, aos 32 minutos, e confirmou o triunfo na segunda parte, aos 63, na conversão de uma grande penalidade.

Com este triunfo, a contar para o Grupo 4 da Liga B, a Dinamarca soma os mesmos três pontos dos galeses, com dois jogos disputados, enquanto a República da Irlanda segue no terceiro e último posto, na sequência do desaire frente ao País de Gales, por 4-1, na quinta-feira.

Também para a segunda divisão, mas para o Grupo 1, a Ucrânia conquistou o segundo triunfo, ao vencer por 1-0 a Eslováquia, depois se ter vencido na República Checa por 2-1, na quinta-feira.

Em Lviv, o avançado do West Ham Yarmolenko sentenciou a partida, aos 80 minutos, deixando os ucranianos com seis pontos, enquanto checos e eslovacos ainda não pontuaram.

Já para a Liga C, a Bulgária venceu em casa a Noruega, por 1-0, com um golo de Vasilev, aos 59, e isolou-se na liderança do Grupo 3, com seis pontos, mais três do que os adversários de hoje, que ocupam o segundo lugar.

Para a Liga D, a Geórgia também venceu pela segunda vez na prova, ao vencer na receção à Letónia, por 1-0, destacando-se no Grupo 1, tal como a Macedónia, no Grupo 4, na sequência do triunfo caseiro diante da Arménia, por 2-0.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.