Eleições do Sporting: Saiba quem lidera nas redes sociais

Sete das oito candidaturas têm página do Facebook. A exceção é José Maria Ricciardi. Frederico Varandas, João Benedito e Bruno de Carvalho no pódio

Formalizadas as oito candidaturas aos órgãos sociais do Sporting, marcadas para 8 de setembro, e já expirado o prazo para a entrega das listas, a página de Facebook Unir o Sporting, relativa a Frederico Varandas, lidera no número de seguidores: mais de 12 800.

O ex-diretor clínico do clube é o primeiro no barómetros das redes sociais, mas é preciso não esquecer que foi igualmente o primeiro a anunciar a candidatura, a 24 de maio, precisamente um mês antes da assembleia geral de destituição da direção liderada por Bruno de Carvalho. A 26 de junho, lançou a página.

Em segundo lugar, surge Raça e Futuro, do antigo guarda-redes de futsal do clube João Benedito, com pouco mais de 10 800 seguidores na página lançada a 19 de julho. Não muito distante está Leais ao Sporting, do ex-líder leonino Bruno de Carvalho, que amealhou quase 10 300 seguidores desde 8 de julho. Ou seja, Benedito vai batendo a concorrência do ex-dirigente no rácio número de seguidores/tempo de página.

Curiosamente, 8 de julho também foi a data escolhida por Dias Ferreira para lançar a página Somos todos Sporting, que conta com pouco mais de 9100 gostos.

Mais distantes estão as páginas Pedro Madeira Rodrigues, com pouco mais de 5200 seguidores desde... 4 de janeiro do ano passado; Unidos Venceremos, de Fernando Tavares Pereira, lançada a 28 de junho e com quase 2900 gostos; e sobretudo Sporting. Projeto e Futuro, de Rui Jorge Rego, lançada a 3 de agosto e que ainda não atingiu os 500 seguidores.

A exceção Ricciardi

José Maria Ricciardi é o único que fica de fora deste barómetro, pois não ter qualquer página nas redes sociais e, a julgar por declarações proferidas a propósito de contas falsas com o seu nome, aparenta não fazer questão de vir a ter: "Não tenho contas no Twitter, nem no Facebook. Tudo o que esses perfis dizem é absolutamente falso. Qualquer coisa que venha daí não é verdade."

Apesar destes indicadores, é necessário ter em conta que cada pessoa pode seguir várias páginas de candidatos e que cada sócio tem direito a um diferente número de votos, consoante a categoria e longevidade enquanto associado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.