Benfica empata com V. Setúbal e vence Torneio do Sado

Num jogo com algumas estreias, os encarnados somaram o primeiro empate na pré-época, mas conquistaram o troféu

O Benfica empatou (1-1) com o V. Setúbal, esta sexta-feira, num jogo disputado no Estádio do Bonfim, relativo ao Torneio Internacional do Sado. Ferreyra (33') marcou na primeira parte para as águias de cabeça, mas Vasco Fernandes (53') faria o empate para a equipa do Bonfim na etapa complementar.

Apesar das duas equipas terem somado um empate e uma vitória nos dois jogos que disputaram neste torneio, o Benfica sagrou-se vencedor fruto de ter mais golos marcados.

O Benfica surgiu no Estádio do Bonfim perante o Vitória de Setúbal com algumas alterações no onze inicial, como seria de esperar, face à equipa que jogou frente aos sérvios do Napredak. O treinador Rui Vitória voltou a apostar no reforço Conti para fazer dupla com Jardel no eixo da defesa, e fez estrear na equipa inicial o guarda-redes Vlachodimos e Ferreyra na frente. Nota ainda para os primeiros minutos de Ebuehi, recém-chegado aos encarnados. O defesa nigeriano, que esteve presente no Mundial, entrou na etapa complementar.

Quanto ao jogo, na primeira parte os encarnados tiveram a iniciativa do seu lado perante um Vitória de Setúbal que se mostrou bem no capítulo defensivo, com Nuno Reis em destaque, mas apresentou sempre dificuldades para criar perigo quer em ataque continuado como transições rápidas.

O primeira sinal de perigo surgiu logo aos oito minutos por Gedson. O jovem médio aproveitou uma bola que surgiu à entrada da área para rematar por cima. Esta seria a primeira de muitas ações do jogador encarnado na partida. A sua tenra idade não se reflete na maturidade com que aborda os lances, e os sadinos tiveram de recorrer muitas vezes à falta para o travar.

Uma falta à entrada da área sobre Ferreyra permitiu ao Benfica beneficiar de um livre aos 17 minutos. Chamado à conversão, Cervi tentou enganar Milton ao rematar direto em vez de cruzar, porém a bola saiu ligeiramente ao lado.

O jogo manteve-se nesta toada com sinal mais para o Benfica. O golo acabaria por surgir aos 33 minutos por Ferreyra que, para além de se estrear no onze, estreou-se a marcar. Depois de um remate de Cervi que Milton defendeu em bom estilo, a bola chegou na ala contrária a Pizzi, que tirou um cruzamento à medida da cabeça do argentino. Foi com esta diferença no marcador que se chegou ao intervalo do jogo.

O único lance de maior perigo do V. Setúbal surgiu pelo avançado Valdu Té que atirou de cabeça para defesa apertada de Vlachodimos, porém o lance foi anulado por fora de jogo

Na segunda parte, e como é habitual em jogos de pré-temporada, vieram as várias alterações nos encarnados. No Benfica saíram Ferreyra, Vlachodimos, Pizzi, Jonas, Cervi e Álex Grimaldo para entrarem Castillo, Varela, João Félix, Chiquinho, Heriberto Tavares e Yuri Ribeiro. Já Lito Vidigal foi mais comedido e trocou duas peças: Cristiano entrou na baliza para o lugar de Milton, e Costinha deu lugar a Ruben Micael.

As alterações levaram a um jogo mais dividido, e o V. Setúbal acabou por chegar ao empate aos 53 minutos. Heriberto fez uma falta que deu origem a um livre lateral para os sadinos. Na sequência do lance, Vasco Fernandes surgiu na área a fazer o golo do empate aos 53 minutos.

A partir desse momento, o jogo foi decaindo de nível por culpa das substituições que foram sendo feitas, da falta de rotinas, e também pelo aumento da agressividade e das faltas, o que diminuiu exponencialmente o tempo útil de jogo. Sem grandes motivos de interesse, o jogo encaminhou-se para o fim e o resultado não se alterou mais. Convém lembrar que na equipa encarnada estiveram ausentes Luisão e Krovinovic, a recuperar lesão, e ainda Rúben Dias, Salvio, Zivkovic e Carrillo, que estiveram no Mundial 2018.

A equipa de Rui Vitória parte este domingo para Inglaterra onde cumprirá um novo estágio de pré-época. A próxima partida dos encarnados está agendada para o dia 21 de julho em Zurique diante do Sevilha.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.