Secretário de Estado do Desporto quer "celeridade" e "justiça"

João Paulo Rebelo defendeu esta quarta-feira a importância de "celeridade" em casos como o e-Toupeira para assegurar "um clima de total confiança no panorama desportivo nacional".

"Celeridade, que se faça justiça porque é essencial garantirmos a verdade desportiva e um clima de total confiança no panorama desportivo nacional, nomeadamente no que ao futebol diz respeito", afirmou, em declarações à SIC, questionado sobre o caso envolvendo o Benfica.

Na terça-feira, o Ministério Público (MP) acusou dois funcionários judiciais, a SAD do Benfica e o seu assessor jurídico Paulo Gonçalves de vários crimes, incluindo corrupção, favorecimento pessoal, peculato e falsidade informática, no âmbito do caso e-Toupeira.

João Paulo Rebelo afirmou não conceber a existência de perseguição a qualquer clube. "Não [concebo perseguição] como também não concebo que haja qualquer ação concertada para beneficiar nenhum clube em particular. Acredito verdadeiramente que, nem para prejudicar nem para beneficiar, isso acontece no nosso país", comentou.

Questionado sobre o crescimento de investigações judiciais deste tipo, o governante disse esperar que "para o mundo de futebol como para qualquer outro mundo a impunidade tenha acabado". "Admito que hoje os dias estão muito mais rigorosos relativamente ao escrutínio de uma forma geral das atividades que são mais públicas ou merecem o acompanhamento de um grande número de pessoas, o que não é uma má notícia", apontou.

João Paulo Rebelo disse ainda não vislumbrar no caso e-Toupeira qualquer intervenção do Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ) "no quadro do que são as competências" deste organismo público.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.