Dias Ferreira: "É tempo de fechar a página, arrumar a casa e pensar na transição"

O candidato à presidência do Sporting Dias Ferreira admitiu esta sexta-feira que vai ser o rosto de uma nova página no clube leonino, ao "arrumar a casa" com a confiança dos sócios nas eleições em 8 de setembro.

Na apresentação da sua candidatura, que decorreu em Lisboa, Dias Ferreira, que em 2011 também concorreu às eleições dos 'leões', na altura ganha por Godinho Lopes, revelou alguma das suas ideias e projetos para o futuro do clube, como a criação de uma nova Academia no centro da capital.

Com um discurso muito confiante perante a sua nova equipa, que terá, caso seja eleito, Sérgio Lopes Cintra, no Conselho Fiscal, e Miguel Esperança Pina, na Mesa da Assembleia Geral, Dias Ferreira foi esclarecedor: "Vou ganhar estas eleições, com todo o respeito por eles [outros candidatos]. Posso e sei que vou ser o presidente."

Além de querer criar uma nova imagem para o clube, o candidato refere também que pensa já na altura de passar a "pasta" quando terminar o mandato.

"Este é o tempo de fechar a página, arrumar a casa e pensar na transição. Para recordarmos [esta fase], apenas para não cometermos os mesmos erros. Partimos para o futuro, fazer uma candidatura de transição e que em 2022 passe o meu testemunho para gente mais nova", disse.

O antigo dirigente 'leonino' voltou a insistir e a justificar porque acredita que irá ter a maioria dos votos em 08 de setembro.

"Penso que vou ganhar, porque os associados me conhecem bem, nas virtudes e defeitos. Sabem que conheço o clube, há 40 anos que procuro servir o clube e nunca me servi dele. Experiência e currículo neste meio é essencial. Confio que os sócios me vão dar a maioria dos votos. É uma confiança e uma luta", resumiu.

Dias Ferreira deixou ainda o recado para aqueles que acreditavam na sua desistência como candidato: "Muita gente achou que ia desistir. O tempo de falar é agora que vão começar as eleições. Vou para ganhar."

Entrando em detalhes para caracterizar quem o acompanha, Dias Ferreira revelou que "levou algum tempo a refletir" para formar uma equipa competente.

"Levei algum tempo, porque o tempo era de meditação, reflexão. Não é de um dia para o outro, tem que ser com rigor, competência e vontade de trabalhar. Temos que ter uma equipa forte e coesa de sportinguistas praticantes e que se interessam por servir o clube sem precisar dele. Procurei fazer a construção e misturar idades diferentes", explicou.

Quanto a uns dos grandes projetos que tem em mente, a construção de um novo centro de formação é uma prioridade.

"Estamos a estudar a construção de uma nova academia. A de Alcochete fica para o futebol profissional e para estágios. Será uma nova academia virada para a formação e mais perto de Lisboa. Queremos que [atletas] continuem a estudar e fica mais perto do grande centro", contou.

Além de Dias Ferreira, manifestaram intenção de concorrer às eleições Fernando Tavares Pereira, João Benedito, Pedro Madeira Rodrigues, José Maria Ricciardi, Rui Jorge Rego e Frederico Varandas, este último o único a já ter formalizado a candidatura.

Os ex-dirigentes do Sporting Bruno de Carvalho e Carlos Vieira também anunciaram a intenção de concorrerem, em listas diferentes, estão suspensos de sócios do clube e podem vir a ser impedidos de participarem no ato eleitoral.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.