E se o melhor reforço do Liverpool for um treinador de lançamentos?

Clube lidera a Premier League e colocou o Reino Unido a debater a contratação de um técnico dinamarquês só para melhorar a eficácia dos lançamentos laterais

Na demanda pelo título inglês que foge ao clube desde 1990 (ainda na era pré-Premier League), o treinador Jurgen Klopp e o Liverpool não quiseram deixar nada ao acaso para esta época. Os reds foram os campeões do mercado, gastaram 200 milhões de euros em reforços e vão para já na liderança da liga inglesa, com quatro vitórias em outras tantas jornadas a alimentarem a euforia em redor da equipa.

No entanto, mais do que as exibições de Alisson na baliza, do que a demora de Fabinho em entrar na equipa ou até do que o futebol jogado pela equipa de Jurgen Klopp, o principal tema de debate em redor do Liverpool é, por estes dias, um outro reforço inesperado: Thomas Gronnemark, um técnico dinamarquês especializado em lançamentos de linha lateral.

A ideia é maximizar a eficiência de um gesto técnico que se repete bastantes vezes durante um jogo de futebol, com dezenas de lançamentos laterais efetuados. A contratação inusitada foi confirmada por Jurgen Klopp na conferência de imprensa de antevisão do jogo do último fim-de-semana, frente ao Leicester, e despertou uma série de comentários jocosos por parte de alguns comentadores. Como foi o caso de Andy Gray, antigo futebolista escocês que atualmente trabalha na estação televisiva beIN Sports: "Aqui fica uma dica: peguem na bola com as mãos, puxem-na para trás da nuca e depois atirem-na na direção de um colega mantendo os pés no relvado", ironizou o comentador.

Numa era de cada vez maior especialização no treino, um especialista de lançamentos laterais é apenas a última "inovação". Para Klopp, o técnico alemão do Liverpool, o trabalho de Gronnemark tem sido importante para a melhoria da equipa. "Para ser honesto, eu nunca tinha ouvido falar de um treinador de lançamentos e quando me falaram do Thomas foi para mim claro que o queria conhecer. E quando o cconheci e falei com ele tornou-se para mim claro que o queria contratar", explicou o treinador dos históricos reds.

Três tipos de lançamentos

Com toda a curiosidade despertada em seu redor, Thomas Gronnemark, um antigo sprinter que já trabalhou também com outros clubes como o Midtjyllandas seleções dinamarquesas de atletismo e de bobsleigh, explicou esta segunda-feira em que consiste o seu trabalho. Antes de mais, divide os lançamentos em três tipos diferentes: "os longos, os rápidos e os inteligentes".

Com o treino dos lançamentos longos, os jogadores estão a "aumentar a distância alcançada pela bola em 10 a 15 metros", diz Gronnemark, ele que detém o recorde de lançamento mais longo de sempre, com mais de 51 metros. Com os lançamentos rápidos, o objetivo é, sobretudo, "aproveitar a oportunidade de contra-ataque". Os lançamentos inteligentes são aqueles que procuram acima de tudo "manter a posse de bola".

"De acordo com os meus cálculos, a maior parte das equipas perde a bola em mais de 50% das vezes que faz um lançamento de linha lateral sob pressão. Por isso, se conseguirmos baixar essa taxa para uns 20 a 30% já será uma boa vantagem para a equipa. Não só num jogo como ao longo de toda a época", explicou o dinamarquês à BBC.

O interesse de Gronnemark nesta especialidade começou quando percebeu que "não havia muito material" sobre lançamentos laterais - "nem vídeos no youtube, nem cursos, nada. E desde aí que me dediquei a estudar esta área".

Para já, Gronnemark tem trabalhado com o clube em part-time, mas quem tem visto os jogos da equipa de Jurgen Klopp já reparou nalguns lançamentos mais longos do que o habitual, como aconteceu na última vitória em Leicester. E a Premier League ganhou uma nova e inesperada figura.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.