Dois livres monumentais de Messi e goleada do Barça no dérbi

Argentino abriu e fechou a vitória por 4-0 sobre o Espanyol com dois "golaços" de livre direto

Numa semana em que ficou fora do pódio da Bola de Ouro pela primeira vez em 12 anos e viu ainda o seu futebol menosprezado pelo brasileiro Pelé, Lionel Messi apareceu em grande no dérbi catalão, contribuindo decisivamente para a vitória do Barcelona no terreno do Espanyol, por 4-0, que permitiu aos blaugrana reforçar a liderança na liga espanhola.

O jogador argentino abriu e fechou a goleada com dois grandes golos de livre direto e, pelo meio, ainda assistiu Dembele para o 0-2. Luis Suárez fez o outro golo do Barcelona, que chegou ao intervalo a vencer já por 3-0.

Mas os momentos altos da partida foram mesmo as duas obras de arte que o craque argentino assinou de bola parada. Dois livres diretos teleguiados a cada um dos cantos da baliza defendida por Diego Lopez, um em cada metade da partida.

O primeiro surgiu aos 17 minutos e foi direto ao canto esquerdo da baliza.

O segundo golo de Messi aconteceu aos 65' e foi para o canto direito.

Segundo estatísticas da conta de Twitter MisterChip, o argentino chegou aos 19 golos de livre direto nas últimas quatro temporadas, mais do que qualquer equipa das principais cinco ligas europeias no mesmo período.

O argentino é também o primeiro desde Cristiano Ronaldo, em 2011, a fazer dois golos de livre direto a mais de 25 metros numa mesma partida.

Com Messi em grande, o Barcelona chegou aos 31 pontos, mais três do que Sevilha, que este sábado empatou em Valência (1-1), e At. Madrid, que bateu o Alavés por 3-0.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Falem do futuro

O euro, o Erasmus, a paz. De cada vez que alguém quer defender a importância da Europa, aparece esta trilogia. Poder atravessar a fronteira sem trocar de moeda, ter a oportunidade de passar seis meses a estudar no estrangeiro (há muito que já não é só na União Europeia) e - para os que ainda se lembram de que houve guerras - a memória de que vivemos o mais longo período sem conflitos no continente europeu. Normalmente dizem isto e esperam que seja suficiente para que a plateia reconheça a maravilha da construção europeia e, caso não esteja já convertida, se renda ao projeto europeu. Se estes argumentos não chegam, conforme o país, invocam os fundos europeus e as autoestradas, a expansão do mercado interno ou a democracia. E pronto, já está.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

As culpas de Sánchez no crescimento do Vox

resultado eleitoral do Vox, um partido por muitos classificado como de extrema-direita, foi amplamente noticiado em Portugal: de repente, na Andaluzia, a mais socialista das comunidades autónomas, apareceu meio milhão de fascistas. É normal o destaque dado aos resultados dessas eleições, até pelo que têm de inédito. Pela primeira vez a esquerda perdeu a maioria e os socialistas não formarão governo. Nem quando surgiu o escândalo ERE, envolvendo socialistas em corrupção, isso sucedera.