Do guardião do Tondela a Gedson. Santos poderá chegar às 37 estreias

Cláudio Ramos, Pedro Mendes, Sérgio Oliveira e Gedson Fernandes poderão somar a primeira internacionalização pela seleção nacional diante de Croácia ou Itália

Revolução em curso na seleção nacional, após uma participação no Mundial 2018 que terminou com eliminação às mãos do Uruguai nos oitavos de final. Em relação aos 23 que estiveram na Rússia, Fernando Santos fez sair dez jogadores e promoveu onze entradas, entre as quais quatro estreias absolutas, com o particular com a Croácia (6 de setembro) e o jogo da Liga das Nações diante de Itália (dia 10) em ponto de mira.

A primeira grande novidade foi logo o segundo nome a ser anunciado: Cláudio Ramos, guarda-redes do Tondela, tornou-se o primeiro jogador de sempre dos beirões a ser chamado à seleção principal. A viver a oitava temporada no emblema auriverde, o guardião de 26 anos tem sido um dos esteios da equipa, contribuindo ativamente para a subida à I Liga em 2014/15 e para as permanências alcançadas nas épocas que se seguiram. Embora o guarda-redes tenha vindo a subir a pulso na carreira, foi chamado às seleções jovens quando pertenceu aos quadros do Vitória de Guimarães.

Outro jogador com passado nas seleções jovens é o central Pedro Mendes, dos franceses do Montpellier, outro clube que ainda não tinha dado qualquer internacional a Portugal. O defesa formado no Real e no Sporting jogou de quinas ao peito pelos sub-20 e pelos sub-21 e já tinha estado em algumas pré-convocatórias dos AA. Aos 27 anos, é pedra basilar no clube gaulês, depois de ter estado emprestado pelos leões ao Real Madrid então orientado por José Mourinho e de ter passado pelos italianos de Parma e Sassuolo e de ter entrado em França pela porta do Rennes. "Muito feliz por fazer parte desta convocatória! Obrigado a todos aqueles que fazem parte do meu quotidiano permitindo-me evoluir e ajudar a realizar este sonho", manifestou no Facebook.

Quem também já tinha sido pré-convocado (inclusivamente para o Mundial 2018) mas não tinha sido chamado para a lista final é Sérgio Oliveira, mais um futebolista com passado nas seleções jovens que terá a possibilidade de se estrear pela principal equipa das quinas. O médio de 26 anos do FC Porto tem aproveitado a lesão de Danilo Pereira para agarrar um lugar ao lado de Herrera no meio-campo portista, depois de duas épocas menos conseguidas no Dragão.

O outro possível estreante dos 24 divulgados esta sexta-feira por Fernando Santos é Gedson Fernandes, o benjamim da lista mas já titular no meio-campo do Benfica, aos 19 anos. Depois de 40 jogos pela equipa B dos encarnados ao longo das duas últimas épocas enquanto atleta júnior, vai estrear-se pela seleção A nos primeiros meses como sénior, saltando mesmo o escalão de sub-21 na hierarquia etária da Federação Portuguesa de Futebol. Já valeu a pena abdicar da participação no Europeu de sub-19, ganho por Portugal, dois anos depois de ter sido campeão continental pelos sub-17.

De Cédric a Rúben Dias

Fernando Santos já promoveu 33 estreias pela seleção nacional AA e, se decidir colocar em campo Cláudio Ramos, Pedro Mendes e Gedson Fernandes, vai chegar às 37.

O primeiro estreante do engenheiro foi Cédric, lançado no onze num particular entre França e Portugal realizado a 11 de outubro de 2014, que também foi de estreia para o próprio selecionador e para João Mário, que entrou no decorrer da segunda parte.

Ainda nesse ano, também Raphaël Guerreiro, Adrien Silva, José Fonte e Tiago Gomes foram promovidos a internacionais AA.

A lista teve, depois, um aumento substancial com o particular com Cabo Verde, em março 2015, com Fernando Santos a fazer alinhar pela primeira vez Anthony Lopes, André Pinto, Paulo Oliveira, Bernardo Silva, André André, Ukra e Danilo Pereira. Seguiram-se, no mesmo ano, Daniel Carriço, Nélson Semedo, Gonçalo Guedes, Lucas João, Ricardo Pereira e Rúben Neves.

Em 2016, ano em que Portugal conquistou o histórico Europeu, foi a vez de Renato Sanches, André Silva, João Cancelo e Gelson Martins.

No ano passado, tornaram-se internacionais AA Marafona, perante a Suécia (28 de março); Bruma, Bruno Fernandes, Edgar Ié e Kévin Rodrigues, face à Arábia Saudita (10 de novembro); e Gonçalo Paciência, Ricardo Ferreira e Rony Lopes, frente aos Estados Unidos (14 de novembro).

Já em 2018, Mário Rui foi a jogo diante da Holanda, em março, e Rúben Dias frente à Tunísia, em maio.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.