João Sousa reentra no top-50 após histórico US Open

Português progrediu 19 lugares, para 49.º, depois de ter atingido os oitavos de final do último torneio do Grand Slam do ano

Se a Novak Djokovic o título no quarto 'major' da temporada lhe valeu para regressar aos três primeiros do ranking, atrás de Rafael Nadal e Roger Federer, João Sousa regressa ao top-50, depois de ter sido o primeiro tenista português a atingir os oitavos de final de um Grand Slam.

O português, que tem como melhor registo na hierarquia mundial um 28.º lugar, em maio de 2016, foi eliminado na competição nova-iorquina precisamente por Djokovic.

No domingo, na final, o tenista sérvio bateu o argentino Juan Martín Del Potro, por 6-3, 7-6(4) e 6-3, garantindo pela terceira vez na sua história um triunfo em Flushing Meadows e a 14.ª vitória num torneio do Grand Slam.

Na classificação ATP, divulgada esta segunda-feira, destaque igualmente para a subida do japonês Kei Nishikori, semifinalista vencido em Nova Iorque, do 19.º para o 12.º lugar.

Em femininos, o quarto e último torneio do Grand Slam da época permitiu a entrada no top-10 da campeã, Naomi Osaka, a primeira japonesa a vencer um 'major', depois de bater na final a norte-americana Serena Williams.

Osaka ocupa agora o sétimo lugar, enquanto Serena Williams, que ainda recupera no 'ranking' depois de ter sido mãe no último ano, subiu dez posições e é 16.ª classificada.

Na liderança continua a romena Simona Halep, seguida pela dinamarquesa Caroline Wozniacki, e agora pela alemã Angelique Kerber, com a norte-americana Sloane Stephens a cair para o nono lugar.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.