Diretor do Fenerbahçe diz que Benfica é "bastante complicado"

Damien Comolli lembra a tradição dos encarnados no futebol europeu

Damien Comolli, diretor-desportivo do Fenerbahçe, considera que o Benfica, adversário do clube turco na pré-eliminatória da Liga dos Campeões é "bastante complicado".

"O Benfica é uma equipa com uma grande tradição. Na época passada lutaram pelo título português até ao fim. Vamos jogar frente a um adversário muito forte, mas estamos a trabalhar nisso", afirmou o dirigente do clube de Istambul, que na última época ficou em segundo lugar na liga turca.

"Por certo que o Benfica também não está satisfeito com o sorteio, será uma eliminatória bastante competitiva entre duas boas equipas", acrescentou Comolli, que frisou que será "um embate difícil, frente a uma equipa forte e com um grande estádio".

O diretor-desportivo do Fenerbahçe admitiu que "é uma vantagem jogar o segundo jogo em casa", pois está convencido que "poderá ser decisivo" para os turcos alcançarem o apuramento.

Benfica e Fenerbahçe defrontam-se a 7 ou 8 de agosto no Estádio da Luz e a 14 ou 15 de agosto no Estádio Sükrü Saraçoglu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.