Dias Ferreira garante 150 milhões para construir dez academias em África

Candidato à presidência diz ter "a experiência e a capacidade" para liderar o Sporting.

Na sua sede de campanha, situada em Lisboa, um dos sete candidatos às eleições do dia 8 de setembro usou os membros da sua equipa para falar das medidas que pretendem implementar caso sejam eleitos.

"Portugal é demasiado pequeno para nós e obtivemos uma linha de crédito de 150 milhões de euros para a construção de dez escolas de formação em dez países africanos", começou por revelar o responsável pela área das academias José Silva, frisando ainda que os atletas que não conseguirem singrar num patamar alto terão um "fundo de pensões".

Outro membro da lista de Dias Ferreira, que ficará com o departamento financeiro, debruçou-se em explicar como será reduzido o passivo atual e sublinhou que pretende adquirir 90% da SAD leonina.

"Há um plano de restruturação em curso, que foi iniciada pela anterior direção, e bem. Nós queremos concluir esse plano e, quando estiver concluído, o Sporting terá números bastante apetecíveis. O passivo será menos de metade do que o de hoje e teremos os VMOC [valores mobiliários obrigatoriamente convertíveis] comprados. O Sporting ficará dono de mais de 90% da SAD e vamos tentar comprar a totalidade das ações da SAD", explicou Ricardo Oliveira.

Na área do futebol estará Luís Natário, que destacou a aposta "sem medos e de uma vez por todas" em jogadores formados no clube.

"Queremos uma academia com todas as condições físicas e de ponta no domínio da tecnologia. Precisamos de lançar os atletas de uma vez por todas, não podemos ter medo. Não podemos gastar os nossos recursos quando temos cá dentro muito melhor e que já conhecem o nosso clube. Gastar dinheiro a contratar 20 ou 25 jogadores é um sinal de que a época passada falhou", lembrou.

Por fim, foi o candidato à presidência a dirigir-se à comunicação social para dizer que possui a "experiência e a capacidade" para reconduzir o Sporting ao êxito, sem esquecer os rivais FC Porto e Benfica.

"Os nossos rivais já estão com picardias como se nós não contássemos. Temos de estar atentos e fazer um trabalho muito sério. Tenho experiência e sinto-me com capacidade para liderar uma equipa. Não tenho nesta lista um amigo, tenho pessoas que são conhecidas pelo rigor", declarou.

De seguida, voltou-se para os dois candidatos mais jovens à presidência do Sporting, João Benedito e Frederico Varandas, ao defender que ainda reúnem as condições para assumir o cargo.

"Acho que é cedo [para Frederico Varandas e João Benedito], francamente. Não posso deixar que este Jumbo [avião] seja conduzido por um piloto que ainda esteja a tirar o brevet", justificou.

Concorrem à presidência do Sporting, além de Dias Ferreira, João Benedito e Frederico Varandas, outros quatro candidatos: José Maria Ricciardi, Pedro Madeira Rodrigues, Rui Jorge Rego e Fernando Tavares Pereira.

As eleições estão agendadas para 8 de setembro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.