Dias Ferreira anuncia candidatura à presidência do Sporting

O advogado avança com o apoio de Paulo Futre, repetindo uma dupla que perdeu as eleições de 2011

Dias Ferreira anunciou esta sexta-feira, em entrevista à SIC Notícias, que é candidato às eleições do Sporting, marcadas para o dia 8 de setembro.

O advogado de 71 anos vai avançar com o apoio do ex-futebolista Paulo Futre, com quem se candidatou ao ato eleitoral de 2011, saindo derrotado com apenas 16,5% dos votos.

Esta é a quarta candidatura anunciada formalmente, depois de Frederico Varandas, Fernando Tavares Pereira e Pedro Madeira Rodrigues.

"Já tomei a decisão e, sem ter nada contra as outras candidaturas, e entendo que me devia voltar a candidatar", anunciou Dias Ferreira à SIC Notícias, onde deixou bem expressa a ideia de que não se revê nos outros candidatos. "O lema da minha candidatura é 'somos todos Sporting'", revelou.

Dias Ferreira explicou que a ideia de avançar para as eleições nasceu na final da Taça de Portugal, perdida para o Desp. Aves, que classificou como "um dos momentos mais angustiantes que vivi". "Tenho a imagem de pessoas com alguma idade e outros jovens, que não me conhecem enquanto dirigente, que me agarraram e disseram para ajudar a salvar o Sporting", justificou.

O advogado acrescentou que anunciou hoje a sua candidatura "após uma reflexão" e que só não comunicou antes devido ao facto de Paulo Futre, que será o seu diretor desportivo, estava a ajudar a Comissão de Gestão liderada por Sousa Cintra. "Achei que não devia fazer ruído enquanto Paulo Futre estava a ajudar o Sporting. O Paulo Futre está comigo e é uma pessoa indispensável para mim", frisou.

No que diz respeito ao treinador, Dias Ferreira garantiu que José Peseiro será o seu treinador, "como aliás seria qualquer outro que tivesse sido escolhido pela Comissão de Gestão". Sem se alongar muito sobre as suas ideias, o advogado deixou a certeza que tem "muito conhecimento sobre a situação financeira" do Sporting, mas escusou-se a tecer para já comentários por "é uma situação de algum melindre".

Dias Ferreira foi dirigente do Sporting pela primeira vez em 1980, quando integrou a direção liderada por João Rocha, acabando por sair em divergência com o presidente. No entanto, regressaria em 1984 também com Rocha, como vice-presidente, tendo sido depois chefe do departamento de futebol na gerência de Amado de Freitas em 1986.

Esteve depois muito tempo afastado do dirigismo leonino, regressando em 2009 como presidente da mesa da Assembleia Geral, numa altura em que José Eduardo Bettencourt foi eleito presidente do Conselho Diretivo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.