Das três Botas de Prata à Lei de Murphy. Jackson está de volta a Portugal

Jackson Martínez foi apresentado esta quarta-feira como reforço do Portimonense, depois de quase dois anos sem jogar na China devido a uma grave lesão no tornozelo. "Preciso de sentir-me novamente jogador de futebol", referiu, agradecendo a confiança do clube algarvio

15 de julho de 2015 marca um ponto de viragem na carreira de Jackson Martínez, que nesse dia assinou contrato pelo Atlético Madrid, depois de um trajeto ascendente começado no seu país, no Independiente Medellín, seguido de etapas goleadoras nos mexicanos do Chiapas e no FC Porto, pelo qual alcançou por três vezes o título de melhor marcador da I Liga (2012/13, 2013/14 e 2014/15).

Após três Botas de Prata nos três anos em que jogou de azul e branco, tudo indicava que o campeonato português já era pequeno para o avançado colombiano e que o seu lugar era numa das ligas de topo. O Atlético Madrid chegou-se à frente e pagou 35 milhões de euros pelo passe do colombiano, mas desde que aterrou na capital espanhola e se percebeu que não seria titular indiscutível, que passou a imperar a famosa Lei de Murphy: "Se algo pode correr mal, vai correr mesmo mal."

Em 22 jogos em pouco mais de cinco meses, foi titular apenas em 13 e ficou-se pelos três golos, um registo bastante inferior ao exibido no Dragão. Se estava ainda em adaptação ou se era mesmo incapaz de se impor num dos principais clubes da Europa - o Atlético foi finalista da Liga dos Campeões nessa época -, nunca se saberá, pois transferiu-se a 3 de fevereiro de 2016 para os chineses do Guangzhou Evergrande. Mais por inflação do mercado do que por valorização no Vicente Calderón, a transação rendeu 42 milhões de euros aos cofres dos colchoneros, que ainda lucraram com cha cha cha.

Mesmo num campeonato menos competitivo como é o da China, ficou aquém da média de golos alcançada em Portugal. Apontou apenas quatro em 15 jogos, antes de sofrer uma grave lesão no tornozelo esquerdo que o levou por duas vezes à sala de operações e o tirou dos relvados até... agora. Não joga desde 26 de outubro de 2016, numa derrota no terreno do Jiangsu Suning (0-2).

Quase dois anos depois, o Portimonense mostrou-se recetivo a recebê-lo por empréstimo por uma temporada, na esperança de novo ponto de viragem na carreira do goleador que apontou 92 golos em 136 partidas pelo FC Porto. Depois de ter sido anunciado assegurado como reforço dos algarvios no último dia do mercado de transferências, a 31 de agosto, e de desde então ter estado na China a resolver questões pendentes, foi apresentado esta quarta-feira como reforço dos algarvios, aos 31 anos.

"Dar o melhor" pelo Portimonense

Jackson Martínez foi oficialmente apresentado esta quarta-feira como reforço do Portimonense, confessando que o seu grande primeiro objetivo é "voltar a jogar". "Preciso de sentir-me novamente jogador de futebol e depois veremos o que acontecerá. O treinador verá como me encontro e tomará a decisão [de o colocar a jogar]. Da minha parte, estarei disponível a jogar o mais rapidamente possível", referiu.

Depois, o goleador colombiano deixou uma palavra aos dirigentes do Portimonense por o terem contratado (chega por empréstimo do Guangzhou Evergrande): "Agradeço ao presidente e ao clube por esta oportunidade. Espero que possamos ser felizes, mas não serei eu a fazer a diferença, o grupo será sempre o mais importante. Mas quero dar o meu melhor e poder ajudar o Portimonense. O passado é passado. Já se escreveu o que foi a minha passagem por Portugal. Desfrutei bastante desse período, mas agora só tenho de pensar no futuro, em dar o meu melhor dia a dia."

Por seu lado, o presidente do conselho de administração da Portimonense SAD, Rodiney Sampaio, afirmou que "o inacreditável acontece", dando crédito ao técnico António Folha. "O primeiro contacto do jogador foi com o 'mister'. Temos de agradecer a aposta feita na nossa proposta, no nosso projeto. A presença do Jackson vai fortalecer o nosso grupo e tenho a certeza de que os objetivos vão ser alcançados", referiu o dirigente.

O treinador do Portimonense elogiou o "caráter enorme" de Jackson Martinez e espera que o jogador "volte a ganhar a felicidade de jogar, retomando aquilo que de melhor ele sabe fazer". "Ele não está parado, ele tem vindo a trabalhar, e muito, para ganhar a condição que mais deseja. Vamos avaliar como está e, progressivamente, perceber até que ponto está em condições de ser utilizado. 90, 60, 30 (minutos), dependendo do estado físico dele e de como se vai sentindo, face à paragem prolongada", explicou Folha.

A cotação do internacional cafetero caiu a pique. De acordo com dados do transfermarkt, depois de ter atingido o ponto mais alto a 1 de julho de 2015, quando o valor de mercado do avançado era de 35 milhões de euros, houve uma acentuada desvalorização. Hoje, segundo o mesmo portal, Jackson vale hoje três milhões de euros. Agora, no Portimonense, vai tentar recuperar a fama de goleador dos tempos do FC Porto.

"Contratação de peso e não de risco"

A condição física de Jackson Martínez levanta algumas dúvidas, mas não aos responsáveis do Portimonense. "Vejo-o como uma contratação de peso e não como um risco. O Jackson vai influenciar o grupo, na medida em que a sua capacidade e experiência serão importantes, mesmo que não esteja, para já, a cem por cento", assumiu o diretor-geral da SAD dos algarvios, Robson Ponte, em recente entrevista a O Jogo.

"Jackson Martínez é um jogador consagrado, que todo o mundo conhece muito bem, incluindo, naturalmente, os adeptos portugueses. Devido ao nosso bom relacionamento com clubes e pessoas da China, surgiu a possibilidade de trazer o Jackson e acredito que é uma escolha acertada, independentemente de estar parado há algum tempo. É um jogador que vem para ajudar e para somar e que será muito útil", acrescentou o dirigente há cerca de uma semana.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Arnaldo, Rui e os tuítes

Arnaldo Matos descobriu o Twitter (ou Tuiter, como ele dizia), em 2017. Rui Rio, em 2018. A ambos o destino juntou nesta edição. Por causa da morte do primeiro, que o trouxe à nostálgica ordem do dia, e por o segundo se ter rendido à tecnologia da transmissão de ideias que são as redes sociais. A política não nasceu para as ideias simples com as redes sociais. Mas as redes sociais vieram dar uma ajuda na rapidez ao passar as mensagens. E a chegar a mais gente. E da forma desejada, sem a, por vezes incómoda, mediação jornalística. É isso mesmo que diz, e sem vergonha, note-se, uma fonte do PSD, no trabalho sobre a presença de Rui Rio no Twitter. "É uma via para dizer exatamente o que pensa e dar a opinião, sem descontextualizações." O jornalismo como descontextualização. Ou seja, os políticos que aderem às redes sociais fazem-no no mesmo pressuposto da propaganda. E têm bons exemplos a seguir, como Trump, mestre nos 280 carateres que o ajudaram a ganhar eleições. Foi o Twitter que trouxe Arnaldo Matos das trevas da extrema-esquerda para o meio mediático. Regressou como fenómeno, não apenas pelas polémicas intervenções no velho partido, o MRPP, onde promoveu rixas, expulsou camaradas por desvios de direita, mas, sobretudo, pela excelente adaptação à forma que a tecnologia do Twitter lhe proporcionava para passar a sua mensagem política dura, rápida, cruel e, sim, simplista. Para quem não quer perder muito tempo com explicações, o Twitter é ideal. Numa prosa publicada na página do partido, Luta Popular, Arnaldo Matos fazia o que sabia fazer, doutrina, sobre o assunto. Dizia que as suas publicações, batendo "todos os recordes em Portugal", se tornavam "tão virais" que já nem ele as controlava E sem nenhum recuo ou consideração sobre a origem "capitalista" desta transmissão informativa queixava-se de as mensagens não serem vistas pelos "camaradas do partido". Resumindo: "Os tuítes são pequenas peças de agitação e de propaganda políticas, que permitem aos militantes do PCTP/MRPP manter uma informação permanente sobre a vida política nacional e internacional." Dizia também que este método "fornece uma enorme quantidade de temas que armam a classe operária para a difusão de opiniões que caracterizam os seus pontos de vista de classe". Ninguém diria melhor do que um "educador" de classe, operária ou outra, e nem mesmo Jack Dorsey ou Noah Glass ou Biz Stone, ou Evan Williams, os fundadores da rede social, a saberiam defender de forma tão eficaz. E enganadora. A forma como Arnaldo Matos usava o Twitter era um pouco menos benévola do que podia parecer destas palavras. Zurziu palavras simples e fortes contra velhos ódios: contra o "putedo" da esquerda, o "monhé" António Costa, os sociais-fascistas do PCP e, até, justificando ataques terroristas como os do Bataclan em Paris. Mandava boutades que no ciberespaço se chamam posts. E, depois, os jornalistas faziam o resto, amplificando a mensagem nos órgãos de comunicação social tradicionais. Na reportagem explica-se que o objetivo dos tuítes de Rui Rio é, também, que os jornalistas "peguem" nas mensagens e as ampliem. Até porque ele tem apenas cerca de três mil seguidores - o que não é pouco, tendo em conta a fraca penetração da rede em Portugal. Rio muda quando está no Twitter. É mais contundente e certeiro. Arnaldo Matos era como sempre foi, cruel e populista. Ambos perceberam o funcionamento das redes sociais, que beneficiam os políticos, mas prejudicam a democracia. Porque incentivam ao "tribalismo", juntando quem pensa igual e silenciando quem acha diferentes. Que contribuem para a diluição das mediações que leva com ela o pensamento, a crítica, e traz consigo a ilusão da "democracia direta" que mais não é do que outra forma de totalitarismo. Estas últimas ideias são roubadas da apresentação de Pacheco Pereira na conferência sobre o perigo das fake news organizada nesta semana pela agência Lusa. Dizia ele que não devemos ter complacência com a ignorância - que é a base do espalhar de notícias falsas. Talvez os políticos devessem ser os primeiros a temê-la, à ignorância.