Daniel Podence perto de assinar pelo Olympiacos

Sousa Cintra tinha dito que acreditava no regresso do avançado, após conversações com o empresário Jorge Mendes

Daniel Podence poderá estar próximo de ser jogador do Olympiacos. O interesse do clube grego no jogador, que a 1 de junho rescindiu contrato com o Sporting, já vem de há algumas semanas, sendo que, ao que o DN apurou, o jogador é esperado em Atenas ainda esta sexta-feira.

As relações estreitas entre o empresário Jorge Mendes e Evangelos Marinakis, presidente do Olympiacos, são uma ponte importante para concretizar o negócio. É bom lembrar que Marinakis é proprietário do Nottingham Forest, clube que já garantiu três jogadores representados pelo agente português: Gil Dias, João Carvalho e Diogo Gonçalves.

O problema é que nas negociações entre Sousa Cintra, presidente do Sporting, e Jorge Mendes tinha ficado alinhavado o regresso de Podence a Alvalade, conforme o líder leonino deixou bem claro na terça-feira em entrevista à SIC. No entanto, esse desejo não deverá concretizar-se e, ao que o DN apurou, o jogador já terá mesmo feito os exames médicos, que se realizaram em Inglaterra, faltando apenas formalizar o negócio.

Resta agora saber se, a confirmar-se este negócio, o Sporting irá receber alguma contrapartida com este negócio, sendo certo que nos últimos dias os leões recusaram uma proposta de seis milhões de euros de outro clube europeu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.