Cristiano Ronaldo recusou 200 milhões de euros de um clube chinês

Oferta de dois anos permitiria ao português ser, de longe, o futebolista mais bem pago do mundo

Se fosse apenas pelo dinheiro, provavelmente Cristiano Ronaldo já estaria a esta altura a jogar na Superliga chinesa, ao lado de nomes como Hulk, Lavezzi ou Mascherano, que viram na China um bom El Dorado para as respetivas carreiras.

Segundo informação avançada pelo diário espanhol Marca, o avançado português rejeitou uma oferta de um clube chinês que faria rebentar por completo o topo do ranking dos jogadores mais bem pagos do mundo: 200 milhões de euros por um contrato de duas temporadas.

Ou seja, 100 milhões de euros por ano, mais do dobro do que aufere Lionel Messi no Barcelona (cerca de 45 milhões de euros) e que faz do argentino o futebolista com salário mais elevado atualmente.

A oferta terá sido feita no final de 2017, mas Cristiano Ronaldo continua a ter ambições desportivas de primeiro plano no futebol europeu e daí ter "escolhido" agora a Juventus como cenário ideal para uma saída do Real Madrid.

O heptacampeão italiano dá garantias de lutar por títulos a nível interno e europeu, com a Liga dos Campeões como objetivo primordial de clube e jogador.

Além do mais, lembra a Marca, a vontade de Ronaldo para uma última etapa futebolística fora da Europa passa pelos Estados Unidos e não pelo Oriente.

Para já, aos 33 anos, a próxima etapa será, ao que tudo indica, em Turim, onde o espera um contrato de quatro anos e 30 milhões de euros por cada temporada.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.