Cristiano Ronaldo recusou 200 milhões de euros de um clube chinês

Oferta de dois anos permitiria ao português ser, de longe, o futebolista mais bem pago do mundo

Se fosse apenas pelo dinheiro, provavelmente Cristiano Ronaldo já estaria a esta altura a jogar na Superliga chinesa, ao lado de nomes como Hulk, Lavezzi ou Mascherano, que viram na China um bom El Dorado para as respetivas carreiras.

Segundo informação avançada pelo diário espanhol Marca, o avançado português rejeitou uma oferta de um clube chinês que faria rebentar por completo o topo do ranking dos jogadores mais bem pagos do mundo: 200 milhões de euros por um contrato de duas temporadas.

Ou seja, 100 milhões de euros por ano, mais do dobro do que aufere Lionel Messi no Barcelona (cerca de 45 milhões de euros) e que faz do argentino o futebolista com salário mais elevado atualmente.

A oferta terá sido feita no final de 2017, mas Cristiano Ronaldo continua a ter ambições desportivas de primeiro plano no futebol europeu e daí ter "escolhido" agora a Juventus como cenário ideal para uma saída do Real Madrid.

O heptacampeão italiano dá garantias de lutar por títulos a nível interno e europeu, com a Liga dos Campeões como objetivo primordial de clube e jogador.

Além do mais, lembra a Marca, a vontade de Ronaldo para uma última etapa futebolística fora da Europa passa pelos Estados Unidos e não pelo Oriente.

Para já, aos 33 anos, a próxima etapa será, ao que tudo indica, em Turim, onde o espera um contrato de quatro anos e 30 milhões de euros por cada temporada.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.