Ronaldo: "A Juve mostrou que me queria mais do que qualquer outro"

O português afirmou que quer "ganhar a Liga dos Campeões com a Juventus", numa entrevista difundida esta quarta-feira pela DAZN, a nova plataforma de streaming que vai transmitir alguns jogos do campeonato italiano.

O avançado que trocou o Real Madrid pela Juventus, por 100 milhões euros, acrescentou que se vai "concentrar [em ganhar a Liga], com os companheiros de equipa, sem que seja uma obsessão" e dando um passo de cada vez. "Depois veremos o que acontece, se é este ano, no próximo ou no seguinte", acrescentou.

O capitão da seleção portuguesa de futebol voltou a manifestar-se feliz com a mudança para Turim e com a qualidade da equipa, dias depois da estreia no campeonato italiano, com uma vitória sobre o Chievo, por 3-2, em Verona.

"Fiquei surpreendido de maneira positiva. Treinamos de forma dura, duas vezes por dia. Adoro os métodos de treino, a mentalidade. É muito, muito profissional", disse o Bola de Ouro a propósito das primeiras semanas de trabalho no clube que se sagrou campeão de Itália nas últimas sete épocas.

Sobre a sua transferência, depois de se ter tornado o melhor marcador da história do Real Madrid ao longo dos nove anos que passou em Espanha, Ronaldo reafirmou que foi "uma decisão fácil".

"O que fiz no Real Madrid foi incrível. Ganhei tudo e fiz muitos amigos lá, são como família. Mas a Juve mostrou que me queria mais do que qualquer outro. Deram-me uma oportunidade e eu fiquei muito feliz. Vou tentar fazer história também neste clube", afirmou o goleador luso.

O novo craque da vecchia signora falou ainda do filho mais velho, Cristianinho: "Gostava que se tornasse futebolista. Ele parece-se muito comigo, é muito competitivo e tenho 100 por cento de certezas de que vai ser como eu."

A DAZN, que faz parte do grupo Perform, adquiriu os direitos de transmissão em Itália de três jogos da Serie A em cada jornada, em exclusivo e em streaming. Os restantes sete jogos são difundidos pela cadeia Sky.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Patrícia Viegas

Espanha e os fantasmas da Guerra Civil

Em 2011, fazendo a cobertura das legislativas que deram ao PP de Mariano Rajoy uma maioria absoluta histórica, notei que quando perguntava a algumas pessoas do PP o que achavam do PSOE, e vice-versa, elas respondiam, referindo-se aos outros, não como socialistas ou populares, não como de esquerda ou de direita, mas como los rojos e los franquistas. E o ressentimento com que o diziam mostrava que havia algo mais em causa do que as questões quentes da atualidade (a crise económica e financeira estava no seu auge e a explosão da bolha imobiliária teve um impacto considerável). Uma questão de gerações mais velhas, com os fantasmas da Guerra Civil espanhola ainda presente, pensei.