CR7 e a Juventus: ponto de situação à entrada para uma semana decisiva

Entre o clube italiano e Ronaldo está tudo certo. Falta resolver o braço de ferro com Florentino Perez para acertar a saída do Real Madrid

Depois do ritmo vertiginoso com que saíram a público os primeiros sinais a prenunciar uma saída de Cristiano Ronaldo do Real Madrid para a Juventus, o cenário da transferência abrandou consideravelmente e pareceu mesmo conhecer um impasse nos últimos dias.

À entrada para a semana que se antevê decisiva, o DN faz um ponto de situação sobre o dossier da mudança de CR7 para o heptacampeão italiano.

Terça-feira, o dia chave?

Depois do travão colocado pelo presidente merengue Florentino Perez no andamento do processo, com algumas exigências que permitam ao Real Madrid uma saída mais airosa desta novela, o dia de terça-feira pode servir para desbloquear definitivamente a transferências.

É o dia da reunião da junta diretiva do Real Madrid, onde a gestão da saída de Cristiano Ronaldo será seguramente o ponto forte de discussão e da qual se espera que saia então uma versão final para a oficialização do adeus entre o clube espanhol e o jogador português, o melhor goleador da história do Real.

Cristiano deve dar o primeiro passo

Como tem contado, sobretudo, a imprensa desportiva de Madrid, o que mais preocupa Florentino Perez nesta altura é sair o menos mal possível na fotografia. Não quer ficar com a fama de ter sido o presidente que "empurrou" para fora do Real Madrid um dos melhores jogadores da sua história. Por isso, quer que seja Cristiano Ronaldo a dar o primeiro passo e a assumir publicamente a vontade de sair do clube nesta fase.

No fundo, a mesma estratégia usada aquando da saída de Xabi Alonso, em 2014, para o Bayern, que o médio espanhol justificou assim: "O Real não queria a minha saída, mas fui eu que quis."

No entanto, segundo o jornal AS, o jogador prefere oficializar o adeus ao Santiago Bernabéu apenas com uma mensagem deixada ao clube e aos adeptos, recusando uma despedida formal ao lado do presidente.

100 milhões de euros podem inflacionar

A transferência tem sido apregoada em cima de um valor de 100 milhões de euros (121, acrescentando-lhe um IVA à taxa de 21%). Essa foi, alegadamente, a fasquia prometida por Jorge Mendes, empresário de Ronaldo, à Juventus. Uma promessa baseada numa outra, que Florentino Perez terá assumido verbalmente em janeiro passado.

Nessa altura, quando o presidente do Real Madrid recusou aceder ao aumento salarial pretendido pelo avançado português - que ganha cerca de 21 milhões de euros anuais no clube espanhol, bem longe dos 45 milhões que o Barcelona aceitou pagar a Messi ou dos 37 milhões de Neymar no PSG -, Florentino transmitiu ao representante do jogador que aceitava baixar a cláusula de rescisão de 1000 milhões de euros para um décimo (100 milhões) caso Jorge Mendes fizesse chegar uma proposta por Ronaldo no final da época.

Uma redução que, segundo a imprensa espanhola, seria válida apenas para clubes que não fossem concorrentes diretos do Real: como Barcelona, Atlético de Madrid ou até o Manchester United. A intenção de Florentino seria abrir portas à saída de CR7 para um mercado periférico. Mas o líder merengue não incluiu a hipótese de a Juventus poder entrar em liça.

Nos últimos dias, surgiram também notícias de que Florentino estará, afinal, a tentar esticar a corda para uma verba entre 120 e 150 milhões de euros. O que pode ser também um fator de pressão para Cristiano Ronaldo assumir o passo decisivo de pedir publicamente a saída.

Só a Juventus interessa

O impasse dos últimos dias inquietou a Juventus, que espera do Real Madrid a confirmação de que está disposto a vender Cristiano Ronaldo pelos 100 milhões de euros que lhe foram transmitidos. Além do mais, surgiram também ecos de uma possível intromissão do Manchester United, que segundo o jornal britânico The Independent contactou o clube espanhol e os representantes do jogador para perceber as condições de um possível negócio.

No entanto, Jorge Mendes já fez questão de tranquilizar o clube italiano: Cristiano Ronaldo já decidiu e é na Juventus que quer continuar a carreira. O capitão da seleção portuguesa até se aconselhou com o seu antigo treinador Carlo Ancelotti sobre a mudança para Itália e para a Vecchia Signora e terá recebido palavras de incentivo: "Allegri [treinador da Juventus] é ideal para ti", ter-lhe-á dito Ancelotti, segundo informa o Corriere Dello Sport.

Acordo patrocinado pela FIAT

Com o clube italiano, Cristiano Ronaldo já tem tudo acertado. O craque português vai ganhar 30 milhões de euros por ano, durante quatro temporadas, até 2022.

Um salário que rebenta o atual teto salarial da Juventus, limitado aos 7,5 milhões de euros que a equipa de Turim paga aos argentinos Dybala e Higuaín, mas que é possível pelo envolvimento direto do império FCA (Fiat Chrysler Automobiles), o grupo automóvel a que a Juve está ligado desde 1923. Atualmente, a Juventus é detida em 60% pela Exor, holding com sede na Holanda, e liderada pela família Agnelli, que engloba a FCA e outras empresas ligadas a diversas áreas.

Outro fator que beneficiará os rendimentos de Cristiano Ronaldo em Itália é o atrativo regime fiscal que permite a estrangeiros pagarem uma taxa de apenas 100 mil euros por rendimentos obtidos no exterior, como pode ser o caso de imóveis ou direitos de imagem. Uma situação bem diferente daquela que lhe valeu problemas com o fisco espanhol.

Apresentação para quando?

A oficialização de Cristiano Ronaldo como jogador da Juventus está, pois, à espera que se desate o nó entre o avançado e o Real Madrid.

De férias nas ilhas gregas, CR7 espera a resolução do impasse para viajar para Turim, onde a Juventus, segundo escreve o jornal La Stampa, prepara uma apresentação hollywoodesca no Estádio.

O clube italiano já esperava ter podido apresentar Cristiano como o novo camisola 7 no passado sábado, dia 7 do mês 7. Mas as exigências de Florentino Perez frustraram os planos. Agora, em Itália espera-se que o capitão da seleção portuguesa possa aterrar em Turim até ao final desta semana que agora começa.

Entretanto, a Juventus arrancou este domingo com os trabalhos da nova época, com outro português já ao serviço (João Cancelo). Mas é por Cristiano Ronaldo que todos aguardam, com uma corrida dos adeptos da Juve aos lugares anuais nos últimos dias, desde que se começou a vislumbrar aquela que em Itália rotulam como transferência do século.

Em relação ao primeiro jogo com a camisola bianconera, é provável que seja em solo americano, onde a Juventus vai participar na International Champions Cup, no final de julho, defrontando o Bayern de Munique no dia 25, o Benfica no dia 28 e o... Real Madrid, a 4 de agosto.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.