Costinha: "Não vamos jogar para empatar com o Benfica"

O treinador do Nacional quer rigor, ambição, entusiasmo e inteligência para tentar vencer os encarnados na Choupana

Costinha, treinador do Nacional, destacou este sábado o fator casa para repartir o favoritismo com o Benfica e disse pretender uma equipa inteligente na partida deste domingo, às 18.30 horas, na Choupana, da 4.ª jornada da I Liga.

"Eu reparto o favoritismo porque jogo em casa, onde normalmente as equipas têm de fazer a sua fortaleza e, se calhar, têm mais possibilidades de vencer do que fora. A minha equipa não vai jogar para empatar porque é sabido que quem joga assim perde quase sempre. Nós vamos tentar vencer o jogo, o Benfica também, mas temos a noção de que vamos encontrar uma equipa muito forte", referiu o técnico.

O histórico dá conta de que o último triunfo dos madeirenses diante do Benfica foi há oito anos (2-1, em 21 de agosto de 2010) e que nos últimos 16 jogos, três dos quais para a Taça da Liga, o melhor que o Nacional conseguiu foi um empate, tendo perdido as 11 partidas anteriores, o que não desanima Costinha.

"Vamos tentar encontrar uma solução para um rumo diferente, mas temos a noção de que vamos jogar contra uma grande equipa, que tem grandes jogadores e que não foi à toa que ganhou quatro campeonatos nos últimos cinco anos. Temos de ser rigorosos, ambiciosos, temos que ter entusiasmo e, acima de tudo, temos de ser inteligentes", vincou.

A formação madeirense estreou-se a vencer no campeonato na jornada anterior, ao vencer no terreno do Vitória de Setúbal, por 2-1, e o técnico abordou a possibilidade de realizar algumas mudanças na equipa.

"Todos os jogos têm uma estratégia diferente e uma história diferente. Por norma, não sou um treinador de mudar muito, mas se entender que devo ajustar a equipa para uma dinâmica diferente, vou fazê-lo porque tenho muitos jogadores, que estão à procura da sua oportunidade e estes jogos dão uma motivação extra aos jogadores. Não será uma equipa muito diferente", referiu.

Os encarnados também estão motivados, mas porque conseguiram a qualificação para a fase de grupos da Liga dos Campeões, mas Costinha promete uma resposta à altura e não acredita que o cansaço do calendário pesado do adversário seja um fator importante.

"O cansaço não é uma situação que eu dê enfoque porque os plantéis têm muitos jogadores e há muito por onde escolher pelo treinador. Poderão haver alguns mais cansados, mas também há outros que estão frescos e que estão à espera de uma oportunidade para demonstrar que são opção", afirmou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.