Coreias debatem no final de outubro candidatura conjunta aos Jogos Olímpicos de 2032

As Coreias já levaram uma equipa conjunta aos Jogos Olímpicos de Inverno em Peyongchang

A Coreia do Norte e a Coreia do Sul deverão reunir-se no final de outubro para discutirem planos para uma candidatura conjunta aos Jogos Olímpicos de 2032.

A notícia foi avançada esta segunda-feira pela agência de notícias Associated Press (AP). O encontro vem na sequência de um acordo alcançado em setembro entre os líderes dos dois países.

"O Norte e o Sul acordaram em discutir a questão da candidatura conjunta Norte-Sul para os Jogos Olímpicos de Verão de 2032 no final do mês no gabinete de ligação", pode ler-se num comunicado divulgado depois da reunião e citado pelo canal de televisão France 24.

Não foram fornecidos mais detalhes sobre esta reunião.

A concretizar-se, esta candidatura conjunta aos Jogos Olímpicos de Verão de 2032 significaria um nível extraordinário de cooperação entre as duas Coreias, que não têm meios formais de contacto regular e tecnicamente ainda estão em situação de conflito.

Recorde-se que os dois países participaram este ano nos Jogos Olímpicos de Inverno em Peyongchang com uma equipa conjunta, mais concretamente na modalidade de hóquei no gelo feminino. Os atletas dos dois países desfilaram também em conjunto na cerimónia de abertura com uma bandeira da unificação da península.

Desde então, as duas Coreias formaram equipas conjuntas para o campeonato do mundo de ténis de mesa, promovido pela Federação Internacional de Ténis de Mesa, que este ano se realizou entre 29 de abril e 06 de maio em Halmstad, na Suécia, bem como nos jogos asiáticos, que este ano decorreram na Indonésia entre 18 de agosto e 02 de setembro. Realizaram-se também partidas de basquetebol amigáveis entre os dois países em Pyongyang.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Os deuses das moscas

Com a idade, tendemos a olhar para o passado em jeito de balanço; mas, curiosamente, arrependemo-nos sobretudo do que não fizemos nem vamos já a tempo de fazer. Cá em casa, tentamos, mesmo assim, combater o vazio mostrando um ao outro o que foi a nossa vida antes de estarmos juntos e revisitando os lugares que nos marcaram. Já fomos, por exemplo, a Macieira de Cambra em busca de uma rapariga com quem o Manel dançara um Verão inteiro (e encontrámo-la, mas era tudo menos uma rapariga); e, mais recentemente, por causa de um casamento no Gerês, fizemos um desvio para eu ir ver o hotel das termas onde ele passava férias com os avós quando era adolescente. Ainda hoje o Manel me fala com saudade daqueles julhos pachorrentos, entre passeios ao rio Homem e jogos de cartas numa varanda larga onde as senhoras inventavam napperons e mexericos, enquanto os maridos, de barrigas fartas de tripas e francesinhas no ano inteiro, tratavam dos intestinos com as águas milagrosas de Caldelas. Nas redondezas, havia, ao que parece, uma imensidão de campos; e, por causa das vacas que ali pastavam, os hóspedes não conseguiam dar descanso aos mata-moscas, ameaçados pelas ferradelas das danadas que, não bastando zumbirem irritantemente, ainda tinham o hábito de pousar onde se sabe.