Coreias debatem no final de outubro candidatura conjunta aos Jogos Olímpicos de 2032

As Coreias já levaram uma equipa conjunta aos Jogos Olímpicos de Inverno em Peyongchang

A Coreia do Norte e a Coreia do Sul deverão reunir-se no final de outubro para discutirem planos para uma candidatura conjunta aos Jogos Olímpicos de 2032.

A notícia foi avançada esta segunda-feira pela agência de notícias Associated Press (AP). O encontro vem na sequência de um acordo alcançado em setembro entre os líderes dos dois países.

"O Norte e o Sul acordaram em discutir a questão da candidatura conjunta Norte-Sul para os Jogos Olímpicos de Verão de 2032 no final do mês no gabinete de ligação", pode ler-se num comunicado divulgado depois da reunião e citado pelo canal de televisão France 24.

Não foram fornecidos mais detalhes sobre esta reunião.

A concretizar-se, esta candidatura conjunta aos Jogos Olímpicos de Verão de 2032 significaria um nível extraordinário de cooperação entre as duas Coreias, que não têm meios formais de contacto regular e tecnicamente ainda estão em situação de conflito.

Recorde-se que os dois países participaram este ano nos Jogos Olímpicos de Inverno em Peyongchang com uma equipa conjunta, mais concretamente na modalidade de hóquei no gelo feminino. Os atletas dos dois países desfilaram também em conjunto na cerimónia de abertura com uma bandeira da unificação da península.

Desde então, as duas Coreias formaram equipas conjuntas para o campeonato do mundo de ténis de mesa, promovido pela Federação Internacional de Ténis de Mesa, que este ano se realizou entre 29 de abril e 06 de maio em Halmstad, na Suécia, bem como nos jogos asiáticos, que este ano decorreram na Indonésia entre 18 de agosto e 02 de setembro. Realizaram-se também partidas de basquetebol amigáveis entre os dois países em Pyongyang.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.