Conselho de Arbitragem da FPF investiga envio de nomeações para a Liga de clubes

Em causa está a revelação antecipada das nomeações.

O Conselho de Arbitragem da Federação Portuguesa de Futebol vai investigar os procedimentos utilizados no envio das nomeações dos árbitros para a Liga de clubes, na sequência de várias fugas de informação, disse hoje à Lusa fonte daquele órgão federativo.

De acordo com a mesa fonte, o presidente do Conselho de Arbitragem (CA), Fontelas Gomes, questionou já esta manhã a Liga Portuguesa de Futebol Profissional, pedindo-lhe que partilhe todos os passos que são dados desde que as nomeações chegam ao organismo de clubes.

O CA federativo está "muito preocupado com revelação antecipada das nomeações, que voltou a acontecer depois de as mesmas serem enviadas para a Liga" e vai abrir uma investigação aos procedimentos utilizados no seu envio, nomeadamente, os que estão relacionados com motoristas, marcação de estadas e viagens.

Já hoje, o Sporting de Braga considerou que a divulgação das nomeações de árbitros pelo agente de futebolistas César Boaventura representa "mais uma fuga verdadeiramente inaceitável" e é revelador "da falência e da permeabilidade do setor" da arbitragem portuguesa.

O clube minhoto, quarto classificado da I Liga, reagiu à publicação feita na quinta-feira por César Boaventura, na qual deu a conhecer os árbitros dos jogos Nacional-Sporting (Carlos Xistra), FC Porto-Santa Clara (Manuel Oliveira) e do Feirense-Sporting de Braga (Fábio Veríssimo), ainda antes de as nomeações terem sido tornadas públicas.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.