FPF confirma dispensa de Fábio Veríssimo mas diz que não aceita pressões sobre árbitros

Árbitro de Leiria ficou debaixo de fogo depois do clássico entre o FC Porto e o Benfica. Conselho de Arbitragem aceitou pedido de dispensa do juiz leiriense, mas condenou pressões feitas pelos clubes, admitindo avançar com queixas.

O árbitro Fábio Veríssimo vai cumprir um período indeterminado de dispensa, por considerar que a sua forma não é ideal, confirmou esta quinta-feira o Conselho de Arbitragem (CA) da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), condenando as pressões sobre os juízes.

"O CA recebeu e aceitou um pedido de dispensa do árbitro internacional Fábio Veríssimo. Árbitro de primeira categoria, com inúmeras provas dadas do seu valor, Fábio Veríssimo trabalhará de forma específica sob orientação do CA", lê-se no comunicado.

O árbitro, de 36 anos, da associação de Leiria, que subiu à primeira categoria em 2014 e tornou-se internacional no ano seguinte, foi o videoárbitro (VAR) da meia-final da Taça da Liga entre FC Porto e o Benfica, que os dragões venceram por 3-1.

"Fábio Veríssimo regressará à atividade de árbitro e videoárbitro assim que o CA entender que estão reunidas as melhores condições. Conhecendo a sua capacidade, estamos seguros de que tal sucederá em breve", acrescenta o órgão da FPF.

O árbitro, natural de Peniche, foi criticado pelo presidente do Benfica, após o clássico.

"Quando assistimos alguém com câmara de televisão à frente, é arbitro e não consegue distinguir em lance de TV se é fora de jogo ou não... Se não consegue distinguir, no lance do primeiro golo do FC Porto, se é falta ou não, este homem não pode arbitrar mais", referiu Luís Filipe Vieira.

No comunicado desta quinta-feira, o CA diz que "nunca aceitou e nunca aceitará qualquer veto de árbitros por parte dos clubes ou outros agentes desportivos" e que "considera igualmente inaceitáveis quaisquer outros tipos de pressão sobre as nomeações e gestão dos árbitros nacionais".

Nesse sentido, e sem especificar os visados, este órgão federativo prometeu avançar com queixas sobre "todos os comportamentos de agentes desportivos que entenda serem suscetíveis de perturbar a normal atividade das equipas de arbitragem e o normal decorrer dos jogos e competições".

Na quarta-feira, o presidente do Sporting, Frederico Varandas, também assumiu preocupação sobre aqueles incidentes: "O que me preocupa mais é ver um presidente dizer que um árbitro não pode voltar a arbitrar e hoje ter a notícia que esse árbitro pede uma licença por um tempo indeterminado para não arbitrar. O tempo não pode voltar para trás", assinalou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.