CAP reconhece rescisões "para efeitos desportivos" de Rui Patrício e Podence

CAP reconhece rescisões "para efeitos meramente desportivos". Guarda-redes e avançado foram os primeiros a rescindir com os leões na sequência das agressões na Academia, em Alcochete.

A Comissão Arbitral Paritária (CAP), reconheceu esta sexta-feira as rescisões, ,"para efeitos meramente desportivos", dos jogadores, Rui Patrício e Podence. A notícia foi avançado pelo Record e confirmado pelo DN junto de fonte do processo.

Ou seja, os jogadores, que rescindiram com o Sporting, após a invasão da Academia e as agressões sofridas por jogadores e treinadores, são agora livres para assinar por outro clube e a Federação Portuguesa de Futebol, já pode libertar os certificados internacionais para os jogadores poderem se inscritos pelo novo clube. No caso de Patrício o Wolves, no caso de Podence, o Olympiacos.

Fonte do processo confirmou ao DN que o pedido de rescisão foi feito segundo os procedimentos necessários e por isso a CAP libertou os jogadores para assinarem por outros clubes.

A decisão final sobre a justa causa laboral e possível indemnização caberá ao Tribunal do Trabalho, ao Tribunal Arbitral do Desporto ou à FIFA.

Sporting desvaloriza

Contactada pelo DN, fonte do Sporting desvalorizou a decisão. "A CAP não tem qualquer competência para decidir se existe ou não justa causa. A única competência da CAP é registar como válida a rescisão e fazer seguir o processo para a instância onde o mesmo será litigado. E, obviamente, ao reconhecer a rescisão contratual isso significa que os jogadores podem ser registados por outros clubes, como de resto já o tinham sido. Isto é um passo administrativo e não de julgamento quanto à justa causa ou não."

Ainda como Bruno de Carvalho como presidente, o Sporting enviou para o Ministério da Justiça, no dia 19 de junho, uma carta solicitando a extinção da Comissão Arbitral Paritária, alegando que desde a criação do Tribunal Arbitral do Desporto, em 2013, que a Comissão Arbitral Paritária perdeu o poder legislativo e já devia ter deixado de funcionar a 31 de julho de 2016, mas a verdade é que continua em funções e proferiu uma decisão que pode penalizar o Sporting.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.