Sporting goleia Fabril e soma oitava Supertaça de futsal

O campeão nacional Sporting juntou este sábado a Supertaça (oitava do palmarés) ao título da época passada, ao golear (11-0) o Fabril, finalista vencido da Taça de Portugal, em jogo disputado em Loulé

Os tricampeões nacionais e detentores da Taça construíram o triunfo nos primeiros 10 minutos, quando chegaram ao 6-0. Depois, relaxaram, aumentando a vantagem num segundo tempo de controlo e ritmo mais baixo, mas ainda com cinco golos.

Com João Benedito, ex-guarda-redes de futsal do Sporting e candidato à presidência, em dia de eleições no clube, a assistir na bancada, a equipa de Nuno Dias entrou em jogo disposta a resolver a questão em poucos minutos.

A diferença qualitativa entre as duas equipas - o Fabril foi despromovido ao segundo escalão no final da temporada passada e renovou o plantel, tendo estado em dúvida a continuidade da secção - foi nítida desde os segundos iniciais.

O guarda-redes Fábio Filipe ainda impediu o golo, com várias defesas consecutivas nos primeiros minutos, mas Cavinato abriu o marcador aos 3', com um golo à boca da baliza.

A pressão leonina provocava perdas de bola consecutivas, com o Fabril incapaz de criar um lance ofensivo e o Sporting a construir jogadas que redundavam em golos fáceis e concluídos sem oposição.

Dieguinho (5' e 7') e Merlim (9' e 10', o segundo de livre direto) bisaram e Varela também marcou pelo meio (6'), com os 'leões' a construírem uma vantagem que lhes permitiu abrandar e relaxar até ao intervalo.

O Fabril só incomodou o guarda-redes do Sporting à beira do intervalo - Serginho rematou para defesa de Gonçalo - e no início da segunda parte, em duas ocasiões de Fortes (24' e 28').

Aos 29', o Sporting, a jogar para controlar o marcador no segundo tempo, chegou ao sétimo golo, o segundo de Cavinato na partida, acabando por alargar a vantagem nos minutos seguintes.

Dani marcou o seu primeiro golo (30'), Merlim fez o 'hat-trick' (32'), Pany Varela bisou'(40') e Pedro Cary, natural de Loulé, também festejou com um golo na terra natal (40'), selando o 11-0 final.

Ao conquistar a oitava Supertaça, segunda consecutiva, em 12 presenças, o Sporting igualou o rival Benfica no quadro de vencedores da competição.Jogo no Pavilhão Municipal de Loulé.

FICHA DE JOGO

Sporting 11-0 Fabril

Ao intervalo: 6-0.

Marcadores:

1-0, Cavinato, 3'.
2-0, Dieguinho, 5'.
3-0, Pany Varela, 6'.4-0,
Dieguinho, 7'.
5-0, Merlim, 9'.
6-0, Merlim, 10'.
7-0, Cavinato, 29'.
8-0, Dani, 30'.
9-0, Merlim, 32'.
10-0, Pany Varela, 40'.
11-0, Pedro Cary, 40'.

Equipas:
Sporting: Gonçalo, Léo, Pedro Cary, Cavinato e Merlim. Jogaram ainda Varela, Pany Varela, Dieguinho, Erick, Cardinal, João Matos, Dani, André Sousa e Bernardo Paçó.
Treinador: Nuno Dias

Fabril: Fábio Filipe, Sandro Noronha, Serginho, Daniel Gomes e Fortes. Jogaram ainda Diogo Galego, Miranda, Bruno Espalha, Kiko, Samuel Ventura, Gustavo e João Pedro.
Treinador: José Maria Soares.

Árbitros: Cristiano Santos e Rúben Santos.
Ação disciplinar: Sem registo.

Assistência: cerca de 2.500 espetadores.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.