Clube onde nasceu Ronaldo Fenómeno está em risco de fechar portas

Aos 119 anos, São Cristóvão procura patrocinador para ajudar a fazer face às dívidas. A antiga estrela brasileira comprou recentemente o Valladolid, de Espanha, e do outro lado do Atlântico há um pedido de ajuda urgente

"Aqui nasceu o Fenómeno." Esta é a frase que se pode ler no degradado Estádio Ronaldo Nazário, propriedade do São Cristóvão, clube do Rio de Janeiro fundado em 1898, que está em risco de fechar as portas.

Ronaldo, conhecido como o Fenómeno no mundo do futebol, começou ali a dar os primeiros passos no futebol, algo é o orgulho de um emblema que foi campeão carioca em 1926 e que, nesta altura, luta para não descer à terceira e última divisão do estadual.

Numa reportagem do jornal online Globoesportes, João Machado, presidente da Assembleia Geral do São Cristóvão, revela que o clube tem 28 dívidas a trabalhadores e receitas antecipadas. Vive por isso escassez recursos, uma vez que o dinheiro vem de doações, mas sobretudo dos próprios recursos, nomeadamente do aluguer de outdoors publicitários, do campo de relva sintética ou do ginásio, contando ainda com a receita mensal das quotas dos cerca de 300 sócios.

Para conseguir manter a equipa de futebol em 2019, o São Cristóvão precisa de ter um orçamento mensal de 14 mil euros, uma vez que nesta altura apenas consegue dispor de metade desse valor.

Ainda recentemente, Ronaldo tornou-se proprietário do Valladollid, clube da I Liga espanhola, tendo investido 30 milhões de euros, mas João Machado não pede tanto. "Se pudermos usar a imagem dele já nos ajuda a trazer patrocinadores. É só usar a imagem do Ronaldo", apelou o dirigente do São Cristóvão, que anseia por receber aquele que é o maior símbolo de um clube com 119 anos de história.

Veja um golo de Ronaldo com a camisola do São Cristóvão:

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.