Clube onde nasceu Ronaldo Fenómeno está em risco de fechar portas

Aos 119 anos, São Cristóvão procura patrocinador para ajudar a fazer face às dívidas. A antiga estrela brasileira comprou recentemente o Valladolid, de Espanha, e do outro lado do Atlântico há um pedido de ajuda urgente

"Aqui nasceu o Fenómeno." Esta é a frase que se pode ler no degradado Estádio Ronaldo Nazário, propriedade do São Cristóvão, clube do Rio de Janeiro fundado em 1898, que está em risco de fechar as portas.

Ronaldo, conhecido como o Fenómeno no mundo do futebol, começou ali a dar os primeiros passos no futebol, algo é o orgulho de um emblema que foi campeão carioca em 1926 e que, nesta altura, luta para não descer à terceira e última divisão do estadual.

Numa reportagem do jornal online Globoesportes, João Machado, presidente da Assembleia Geral do São Cristóvão, revela que o clube tem 28 dívidas a trabalhadores e receitas antecipadas. Vive por isso escassez recursos, uma vez que o dinheiro vem de doações, mas sobretudo dos próprios recursos, nomeadamente do aluguer de outdoors publicitários, do campo de relva sintética ou do ginásio, contando ainda com a receita mensal das quotas dos cerca de 300 sócios.

Para conseguir manter a equipa de futebol em 2019, o São Cristóvão precisa de ter um orçamento mensal de 14 mil euros, uma vez que nesta altura apenas consegue dispor de metade desse valor.

Ainda recentemente, Ronaldo tornou-se proprietário do Valladollid, clube da I Liga espanhola, tendo investido 30 milhões de euros, mas João Machado não pede tanto. "Se pudermos usar a imagem dele já nos ajuda a trazer patrocinadores. É só usar a imagem do Ronaldo", apelou o dirigente do São Cristóvão, que anseia por receber aquele que é o maior símbolo de um clube com 119 anos de história.

Veja um golo de Ronaldo com a camisola do São Cristóvão:

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.