Cinco jogos que marcaram a carreira de José Peseiro

O treinador foi apresentado este domingo em Alvalade.

Ao longo da sua carreira de 22 anos como treinador, José Peseiro acumula centenas de jogos espalhados por 16 clubes onde teve a oportunidade de sentar no banco. Escolhemos cinco jogos que acabaram por ser marcantes na carreira do técnico, para o bem e para o mal.

2002 - Nacional 2-0 Felgueiras (38 jornada, Segunda Liga)

José Peseiro era um jovem treinador que tinha feito os seus primeiros anos de carreira em clubes perto de casa. Até que, em 1999, da Madeira chegou um convite endereçado pelo presidente Rui Alves para que Peseiro viesse assumir o clube da Choupana.

Nessa altura, o Nacional estava no terceiro escalão do futebol português mas tinha ambição de subir por aí acima. José Peseiro acreditava no seu trabalho mas, pelo sim pelo não, continuou a dar aulas na Escola Superior de Desporto de Rio Maior. Aproveitava a segunda-feira de folga do plantel para viajar até ao continente para dar as suas aulas na Universidade.

O seu trajeto ao longo de quatro anos na Madeira foi sempre em crescendo. Tirou a equipa da Segunda Divisão e levou-a até à Primeira Liga. O jogo em que comemorou a chegada ao principal escalão do futebol português data de 2002. A equipa insular recebeu o Felgueiras na Choupana e venceu por 2-0 com golos de Pascal e Serginho.

José Peseiro ainda orientou por mais um ano a equipa alvinegra conseguindo que esta se mantivesse entre os maiores do futebol português. Seguiu-se depois uma viagem até Madrid.

2003 - Real Madrid 3-0 Maiorca (2.ª mão, Supertaça Espanhola)

José Peseiro é um estudioso do futebol e no seu percurso académico, entre licenciatura em Educação Física e Mestrado em Desporto, teve Carlos Queiroz como professor e referência. De aluno José Peseiro passou a adjunto do seu antigo professor no Real Madrid.

Estávamos na era Florentino Pérez e no tempo dos galácticos. A equipa técnica portuguesa tinha ao seu dispor Figo, Zidane, Beckham e Ronaldo. Foi neste contexto que o Real iniciou a época 2003/04 com a conquista da Supertaça. Do outro lado do campo estava o Maiorca de Jaime Pacheco que tinha no jovem Eto'o uma esperança no futuro.

O Maiorca venceu em casa a primeira mão por 2-1, mas tudo se resolveria a bem dos madrilenos com um triunfo por 3-0 no Santiago Bernabéu com golos de Rául, Ronaldo e Beckham.

A época começava com um título de esperança, mas acabaria em desilusão com um quarto lugar no campeonato e sem mais nenhuma conquista. A saída de Carlos Queiroz precipitou-se e acabou assim a primeira aventura no estrangeiro de José Peseiro.

2005 - Sporting 1-3 CSKA Moscovo (Final da Taça UEFA)

José Peseiro chegou a Alvalade em 2004 para substituir Fernando Santos. O jovem treinador era uma aposta da direção leonina liderada por Dias da Cunha na tentativa de pôr o clube na rota dos troféus.

A era Peseiro em Alvalade ficou famosa pela qualidade e requinte do futebol apresentado, mas também pelo doloroso final de temporada. O Sporting teve na mão o título de campeão, contudo uma derrota com o Benfica e Nacional nas duas últimas jornadas atiraram o candidato para o terceiro lugar. O percurso na Taça UEFA também foi de louvar pois a equipa passeava classe na Europa eliminando equipas como Feyenoord, Middlesbrough, Newcastle e AZ Alkmaar.

A final da prova que se queria de festa por ser jogada em Alvalade acabou em tragédia e a culpa foi do CSKA de Moscovo, que eram uma mistura de criatividade brasileira com o calculismo russo.

Rogério (28') ainda deu motivos para o estádio explodir de alegria, mas na segunda parte Berezutskiy (57'), Zhirkov (65') e Vágner Love (74') acabaram com o sonho europeu. José Peseiro, no banco, era a imagem do desalento.

2013 - Sporting Braga 1-0 FC Porto (Final da Taça da Liga)

Demitido em Alvalade em 2005, José Peseiro esteve longe de Portugal por longos oito anos. Foi fazer a sua vida para Arábia Saudita, Grécia e Roménia. Foi António Salvador que o fez regressar a casa para pegar num Sporting de Braga que procurava afirmar-se entre os grandes do futebol português.

O treinador garantiu a entrada dos bracarenses na fase de grupos da Liga dos Campeões, deixou os arsenalistas num esperado quarto lugar no campeonato, mas o seu maior feito aconteceu na Taça da Liga.

Depois de eliminar o Benfica nas meias-finais, num jogo decidido nas grandes penalidades, José Peseiro haveria de conseguir na final contra o FC Porto o primeiro título para António Salvador, e também o seu único título em Portugal. O central Abdoulaye fez falta sobre Mossoró dentro da área, e Alan seria o rei dessa Taça ao converter o castigo máximo, dando a vitória por 1-0 aos arsenalistas.

2016 - Braga 2-2 FC Porto, 4-2 após gp (final da Taça de Portugal)

Após ano e meio de um investimento milionário e sem resultados, o treinador espanhol, Julen Lopetegui, recebe guia de marcha e Peseiro é o escolhido para levar o barco, no meio de um mar picado, a bom porto até final da época.

O treinador não conseguiu pôr ordem na tripulação e os resultados estiveram longe do esperado. Em 22 jogos, a equipa portista só conseguiu 13 triunfos. O jogo mais amargo e que terá ditado a sua saída foi a final perdida no Estádio do Jamor.

O FC Porto ainda conseguiu reverte uma vantagem de 2-0 dos bracarenses com André Silva em destaque ao marcar os dois golos (61' e 90'), todavia nas grandes penalidades o SC Braga acabaria por vencer por 4-2. Há uma imagem dessa final que marcou este jogo. Supostamente, o presidente dos portistas, Pinto da Costa, teria virado a cara a José Peseiro não o cumprimentando após a derrota. O treinador veio mais tarde desmistificar tal facto, afirmando que a fotografia não corresponderia à verdade, uma vez que o dirigente teria falado consigo num momento anterior que não tinha sido captado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Falem do futuro

O euro, o Erasmus, a paz. De cada vez que alguém quer defender a importância da Europa, aparece esta trilogia. Poder atravessar a fronteira sem trocar de moeda, ter a oportunidade de passar seis meses a estudar no estrangeiro (há muito que já não é só na União Europeia) e - para os que ainda se lembram de que houve guerras - a memória de que vivemos o mais longo período sem conflitos no continente europeu. Normalmente dizem isto e esperam que seja suficiente para que a plateia reconheça a maravilha da construção europeia e, caso não esteja já convertida, se renda ao projeto europeu. Se estes argumentos não chegam, conforme o país, invocam os fundos europeus e as autoestradas, a expansão do mercado interno ou a democracia. E pronto, já está.