Cinco "duelos" que podem decidir o clássico

Na antevisão do clássico de Alvalade, o DN convidou Tiago Teixeira, analista de futebol e criador do blog Domínio Táctico, a escolher os "duelos" entre jogadores de posições semelhantes que podem fazer a diferença no jogo deste sábado.

O FC Porto pode reforçar neste sábado (15.30, SportTV1) a liderança da I Liga e estabelecer novo recorde de vitórias consecutivas no estádio do Sporting, que tenta evitar o afastamento prematuro da corrida ao título no jogo que marcará a estreia do treinador holandês Marcel Keiser em clássicos. Um triunfo em Alvalade permitirá à equipa treinada por Sérgio Conceição conquistar o 19.º triunfo seguido, em todas as competições, superando o máximo estabelecido pelo Benfica na época 2010/11, sob o comando técnico de Jorge Jesus. No relvado perspetivam-se vários duelos interessantes. Tiago Teixeira, analista de futebol, elege cinco confrontos que podem decidir o clássico deste sábado.

Mathieu vs Militão

São os centrais mais completos do Sporting e do FC Porto, ou seja, aqueles que mais qualidade apresentam tendo em conta os vários momentos do jogo, e as suas exibições no clássico poderão ser determinantes no resultado final.

No momento defensivo, serão fundamentais no controlo da profundidade, uma vez que são os centrais mais rápidos - ainda que Militão seja muito mais ágil que Mathieu - de cada equipa. Os movimentos de rutura de Soares e/ou Marega e de Wendel e/ou Diaby/Raphinha, para o espaço nas costas da linha defensiva, obrigarão a um controlo da profundidade muito competente dos defesas do Sporting e do FC Porto, e por isso, é de prever que tanto Mathieu como Militão tenham muito trabalho neste tipo de situações. É também expectável que o central leonino possa passar por mais dificuldades defensivas, uma vez que tem pela frente jogadores muito fortes a explorar a profundidade, e é menos forte nos duelos individuais quando comparado com Militão.

No momento ofensivo - principalmente na primeira fase de construção em ataque posicional - são os centrais de cada equipa que mais garantias oferecem com bola, tanto no passe (Mathieu com mais qualidade no passe vertical do que Militão) como em condução. A qualidade com que o Sporting e o FC Porto conseguirem sair para o ataque de forma apoiada, desde zonas mais recuadas, passará muito por aquilo que Mathieu e Militão conseguirem fazer com bola, e por isso o seu rendimento neste momento do jogo poderá ser determinante para a qualidade do processo ofensivo das respetivas equipas.

Gudelj vs Danilo

Serão os dois médios mais recuados de cada meio campo, e muito provavelmente terão no momento da transição defensiva a principal preocupação. Num clássico que se espera com muito espaço para os ataques rápidos, será fundamental que a reação à perda da bola seja feita com agressividade e eficácia, e é neste momento que Gudelj e Danilo poderão ser mais importantes, uma vez que são dois médios muito fortes fisicamente e que vencem muitos duelos defensivos.

No momento da organização defensiva, Danilo estará mais protegido pelo coletivo do que acontecerá com Gudelj, uma vez que o FC Porto é uma equipa que defende de forma muito mais compacta que o Sporting - que obriga os seus médios a percorrer mais espaço fruto da distância em largura dos vários elementos do setor médio.

Com bola, e apesar de Danilo também não ser um médio muito forte na construção, Gudelj tem revelado mais dificuldades para ligar o processo ofensivo, uma vez que raramente realiza passes verticais, optando quase sempre por jogar para o lado ou para trás. Tem também sentindo muitas dificuldades quando pressionado, demonstrando muita lentidão a decidir e executar, fragilidade essa que pode ser explorada pelo FC Porto para recuperar a bola.

Bruno Fernandes vs Herrera

São dois médios fundamentais na ideia de jogo dos respetivos treinadores, tanto no momento defensivo como no momento ofensivo, e o rendimento individual que tiverem no clássico influenciará muito o rendimento coletivo.

No Sporting, Bruno Fernandes será o principal responsável por ligar a fase de construção com a de criação, seja através do passe vertical, seja através de um passe mais longo para variar o centro de jogo. Além da importância que terá em zonas mais recuadas, será também uma das principais armas leoninas em zonas próximas da grande área portista, uma vez que é um médio muito forte no último passe, com qualidade no remate exterior e que aparece bem em zonas de finalização. Em termos defensivos, será o jogador mais próximo de Gudelj, na ocupação do espaço no corredor central.

O que esperar de Herrera no clássico dependerá muito do sistema de jogo escolhido por Sérgio Conceição. Se for o 4X4X2, o internacional mexicano jogará lado a lado com Danilo, e no momento defensivo a sua principal função será garantir os equilíbrios defensivos, com muita preocupação com as coberturas defensivas de modo a manter o bloco compacto. Com bola, jogará quase sempre fora do bloco, em cobertura ofensiva, e será fundamental para ligar a fase de construção com a de criação. Caso seja o 4X3X3, Herrera poderá ter mais liberdade em termos ofensivos, quer para receber a bola entre linhas quer aparecer em zonas de finalização.

Nani vs Brahimi

São dois dos jogadores mais evoluídos tecnicamente e dos mais criativos que irão estar em campo, e por isso, é de prever que as suas exibições no clássico influenciem muito a frequência e principalmente a qualidade, com que o Sporting e o FC Porto chegarão às zonas de finalização.

É dos pés de Nani e Brahimi que se esperam os gestos técnicos com mais classe, e a maior capacidade de imaginação e definição. Jogarão sobre o corredor lateral esquerdo, mas a movimentarem-se muitas vezes para zonas mais interiores, de modo a receberem a bola no espaço entre a linha média e a linha defensiva adversária, com o objetivo de enquadrar em direção à baliza adversária. Brahimi, com mais facilidade em sair individualmente da pressão dada a sua agilidade, velocidade e qualidade no 1X1, e Nani, com muito critério em posse, capacidade para fixar em si vários adversários e libertar espaço para os colegas, serão certamente umas das principais armas ofensivas em zonas de criação.

Não será de estranhar também, se tanto Nani como Brahimi, aparecerem várias vezes muito próximos da dupla de médios, com o objetivo de receberem a bola de frente para o meio campo adversário, e por isso em melhores condições de ligar o processo ofensivo com os jogadores da frente, seja em condução (mais Brahimi que Nani) ou através do passe.

Bas Dost vs Marega

São os dois jogadores com mais golos marcados de cada equipa na presente época: Bas Dost leva 16 golos em 16 jogos e Marega 15 golos em 24 jogos, e por isso serão certamente as principais ameaças à baliza de Casillas e de Renan, respetivamente.

Tendo em conta as características de cada um, não é difícil de prever que Bas Dost será muito mais perigoso quando for servido dentro da área, principalmente através de cruzamentos, enquanto Marega será através dos movimentos de rutura, nas costas da linha defensiva do Sporting, que poderá causar mais perigo.

Bas Dost - que também demonstra qualidade de costas para a baliza, principalmente a um toque - será a principal referência ofensiva quando os centrais do Sporting optarem por um futebol mais direto. O ponta de lança holandês ganha muitos dos duelos aéreos que disputa, e será decisivo para o Sporting ganhar a primeira bola, e permitir aos médios Bruno Fernandes e Wendel disputar a segunda bola no espaço à frente dos centrais portistas, ou para Diaby/Raphinha a receberem na profundidade.

Marega, poderá também ser muito utilizado quando os jogadores do FC Porto recorrerem a um futebol mais direto, mas ao contrário do que acontecerá com Bas Dost (disputar a primeira bola no ar), Marega irá ser solicitado no espaço, uma vez que é um jogador com muita capacidade para atacar a profundidade.

* Tiago Teixeira é analista de futebol e o criador do blog Domínio Táctico

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.